Segunda-feira , Outubro 23 2017
ÚLTIMAS
Home / TODO-O-TERRENO / A TRADIÇÃO AINDA É O QUE ERA
A TRADIÇÃO AINDA É O QUE ERA

A TRADIÇÃO AINDA É O QUE ERA

 

Depois do que se viu hoje, Baja TT Oleiros – Proença-a-Nova – Mação promete grande emoção

 

Foi uma tarde de Verão que recebeu os pilotos em Oleiros para a Super-Especial da Baja TT Oleiros – Proença-a-Nova – Mação, dando assim início à terceira prova do Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno. Para já Ricardo Porém nos automóveis, Mário Patrão nas motos, Roberto Borrego nos quads e Vítor Santos e a dupla António Ferreira/Hélder Barbosa nos UTV/Buggy lideram, mas amanhã a emoção vai aquecer mais ainda.

unnamed (86)Estão lançados os dados para a terceira ronda do Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno. Embalado pelo triunfo no Algarve, Ricardo Porém entrou a todo o gás e assinou o melhor tempo na primeira passagem pela Super-Especial de 5,09kms. O piloto do BMW teve apenas oposição da parte de Miguel Barbosa. O campeão nacional, que na jornada da Escuderia de Castelo Branco estreia um novo navegador, Mário Castro, cedeu 2,3s. Na segunda passagem o cenário repetiu-se, com o piloto de Leiria a voltar a assinar a melhor marca, ganhando desta vez 5,7s, o que faz com que amanhã os dois primeiros saiam separados por oito segundos. “Cumpri o objectivo que tinha que era ganhar o prólogo”, começou por dizer Ricardo Porém. “Era uma especial muito técnica e difícil de treinar, uma vez que tinha muitas sombras e era complicado ter pontos de referência. Ainda assim correu bem, é um percurso que eu gosto e amanhã vou sair na frente, que era algo que procurava, pois acredito que vá ser uma prova com muito pó”, afirmou o piloto do BMW Proto.

Miguel Barbosa começa a ver colocada em causa a sua fama de “pápa prólogos”, mas ainda assim o campeão nacional acredita que amanhã pode dar a volta ao texto. Atrás dos dois primeiros, e já a alguma distância, ficaram Rómulo Branco e João Ramos. Quanto às outras categorias, Alexandre Franco foi por duas vezes o mais rápido nos T2 e vai sair amanhã com quase 15 segundos de avanço sobre Jorge Cardoso. Nos T8 a história foi a mesma, com Mário Raposo a ganhar as duas passagens, ambas por curta margem, mas sobre adversários diferentes, o que o deixa com alguma folga para o dia de amanhã.

Espectacular promete ser a luta nas motos. Esta tarde, na passagem pelos 5090 metros da super-especial, Mário Patrão e Antóniounnamed (87) Maio ficaram separados por apenas sete décimos de segundo, deixando antever uma guerra sem quartel nos 243,72kms ao cronómetro, divididos em dois Sectores Selectivos. O primeiro com quase 85 quilómetros e o segundo com pouco mais de 159. Luís Teixeira foi o terceiro mais rápido, gastando mais quatro segundos que Patrão, sendo ainda o mais rápido entre os concorrentes da categoria TT3. Domingos Santos foi quinto e o melhor dos TT1, sendo que entre os dois ficou Hélder Rodrigues, enquanto Ruben Faria, outra das estrelas do Dakar, ficou apenas com o oitavo registo a 13,5s do mais rápido. Na Promoção o melhor foi Sebastião Brion. “Correu tudo bem, só não sei se foi o ideal ganhar o prólogo. Talvez tivesse sido melhor partir atrás para poder controlar o andamento, mas é o que temos e vou ter que atacar. Hoje não tive problemas de maior, embora o percurso da Super-Especial estivesse um pouco escorregadio”, explicou no final Mário Patrão.

Já no que diz respeito aos Quads, nota para o melhor tempo de Roberto Borrego, que deixou Francisco Afonso, o mais rápido da categoria Promoção a 1,8s, e Ricardo Carvalho a 6,9s. Tiago Dias foi 10o e o mais rápido na categoria Stock. “Estava um pouco escorregadio e era preciso atenção. A meio ainda fiz meio pião que me custou alguns segundos. Amanhã saio na frente, que é algo que me agrada, pois assim não apanho pó. O único senão é que por vezes por ir tanto tempo sozinho e sem adversários perco um pouco a concentração”, referiu à saída do prólogo Roberto Borrego.

unnamed (88) Nos UTV/Buggys a batalha na Baja Oleiros – Proença-a-Nova – Mação deverá durar até aos últimos metros, assim os pilotos mantenham o andamento demonstrado na Super-Especial. Os nove primeiros cabem em menos de nove segundos, com os dois primeiros Vítos Santos (UTV) e a dupla António Ferreira/Hélder Barbosa (Buggy) a ficarem empatados com a melhor marca. “Podia ter ganho, pois falhei o arranque e com isso perdi três ou quatro segundos. Independentemente disso, prefiro ir atrás para poder controlar melhor a corrida”, afirmou António Ferreira.

Amanhã o dia começa bem cedo. Às 7h00 da manhã os homens das duas rodas deixam o parque fechado rumo ao primeiro Sector Selectivo, de 84,45kms que começa às 7h30. O segundo, mais extenso, com 159,27kms, arranca às 11h45, estando o pódio marcado para as 14h30. Por sua vez os automóveis irão percorrer por duas vezes o Sector mais longo, com a primeira passagem marcada para as 9h40 e a segunda para as 15h50. A consagração dos vencedores no pódio final acontece às 19h30.

Classificação Após Super-Especial (Autos): 1o Ricardo Porém/Jorge Monteiro (BMW Serie 1 Proto), 9m47,2s; 2o Miguel

Barbosa/Mário Castro (Mitsubishi Racing Lancer), a 8,0s; 3o Rómulo Branco/João Serôdio (Toyota Hylux), a 34,1s.

 

Motos: 1o Mário Patrão (Suzuki RMZ), 4m51,2s; 2o António Maio (Yamaha YZ 450F), a 0,7s; 3o Luís Teixeira (Yamaha YZ), a 4,0s.

Quads: 1o Roberto Borrego (Yamaha YFZ450R), 4m50,1s; 2o Francisco Afonso (Suzuki LTR), a 1,8s; 3o Ricardo Carvalho (Yamaha YFZ450), a 6,9s.

UTV/Buggy: 1os Vítor Santos (Polaris RZR 1000) e António Ferreira/Hélder Barbosa (Rage Sport), 5m13,4s; 3o Teófilo Gallart (Polaris RZR 1000), a 1,0s.

 

Scroll To Top