Domingo , Dezembro 17 2017
ÚLTIMAS
Home / RALI / AUTOCROSS DE ARTEIXO – UM GRANDE SUCESSO, COMO É HABITUAL (por Rodrigo Vasconcelos)
AUTOCROSS DE ARTEIXO – UM GRANDE SUCESSO, COMO É HABITUAL (por Rodrigo Vasconcelos)

AUTOCROSS DE ARTEIXO – UM GRANDE SUCESSO, COMO É HABITUAL (por Rodrigo Vasconcelos)

Realizou-se este fim-de-semana mais um Autocross Arteixo. Mais uma excelente jornada, organizada pelo Peña Autocross.
O Autocross Arteixo, que pela vigésima vez pontuava para o Campeonato de Espanha, esteve, como é habitual, dentro dos parâmetros a que nos tem habituado. Uma excelente organização, milhares de espectadores, 142 inscritos, muito ritmo em toda a jornada e um grande espetáculo automobilístico, são as provas disso. Chegamos a Arteixo, cerca das 17 horas de sábado. Já as verificações decorriam em bom ritmo. Entretanto, os portugueses iam chegado e verificando. Poucos foram os que optaram por verificar, no dia seguinte. E só dois faltaram a esta prova. Infelizmente, esses dois era portugueses. No Kartcross, por exemplo, compareceram os 60 inscritos. Impressionantes números, que provam bem o interesse que esta jornada desperta, entre os pilotos do país vizinho.
Depois, a seguir a um ligeiro repasto, a jornada começou à hora marcada. Eram as 13 horas e 30 minutos, de Espanha, e os motores roncavam na pista, como estava agendado.
Nessa tarde de sábado, muito parecia estar contra os homens do Peña. Muitos carros avariados, alguns acidentes, muito serviço de reboque. Contudo, no final, o atraso era mínimo.
No domingo, as coisas estavam marcadas para as oito horas e 30. Leia-se, sete horas e 30 de Portugal (um problema, de manhã, ser menos uma hora no nosso país).
Chegamos ao Circuito, faltavam cerca de 20 minutos para o início. Se tivéssemos o relógio atrasado, poderíamos tê-lo acertado, quando foi dada a partida para a primeira manga. Passavam, claro, 30 minutos das oito da manhã.
Depois, foi mais uma maratona de excelentes corridas, em que os intervalos, quando existiam, eram os que estavam agendados. Nem mais alguns carros avariados, bem com alguns acidentes, conseguiam provocar atrasos.
Finais C e B disputadas e as máquinas entram em pista, para ligeiros arranjos. Entretanto, é obrigatório referir que pó, foi coisa que não existiu. E não choveu, durante toda a jornada.
Hora marcada, partida dada, para as muito esperadas seis finais.
Começou pela categoria OFF-Road Series. O vencedor foi Daniel Anon, seguido de Jesus Nogareda, piloto do Autocross Arteixo, e de Javier Saez. Um VW Golf, um Honda Civis e um Citroën Saxo. Classificação final.
Depois, a final do Cross Car Júnior. Uma divisão que é “obrigatório” ser iniciada em Portugal.
Venceu-a Oscar Ortiz, com Kevin Garcia, um jovem que já esteve em Lousada, a levar o seu Semog, ao segundo posto. De realçar que, entre nove participantes, havia duas “chicas”. Uma delas, Ares Rubio, subiu ao pódio. Classificação final
Seguiu-se a final da Divisão 2. Dois pilotos de Arteixo, Gabriel Varela e Alberto Añon, conquistaram os dois primeiros lugares. Aos Peugeot 106 e Citroën Saxo dos dois primeiros, seguiu-se  Julio Garcia, com outro Saxo. Classificação final
Nesta final, um acidente levou a que a corrida fosse interrompida. E foi-o prontamente. O piloto Cristian Mulas, recebeu assistência hospitalar, mas, felizmente, pouco mais foi que um susto.
Faltavam as três últimas finais. Foi a vez da Divisão 3, onde estavam dois pilotos portugueses.
Ludgero Santos e António Santos, nos Toniauto TNTT.
A vitória foi para o Autocross Arteixo, através de Axer Guinea, com o seu Fórmula Hosek. Seguiram-se Juan Bosch, em Fórmula SpeedCar TTR e Juan Torres, em Fórmula JCB. Ludgero Santos consegui um excelente quarto posto, que soube a vitória na sua categoria. António Santos foi 11º, depois de não ter conseguido completar a final, por problemas técnicos. Classificação final
Mais uma excelente final, como foram as duas que ainda faltavam. A emoção andava por toda a pista, com o público a não ser parco em aplausos.
No Car Cross, que se seguiu, houve direito a Final C. O vencedor foi o nosso compatriota Luís Oliveira. Passou para a B e ainda recuperou mais lugares. Terminou, nesta na 10ª. posição, o que equivale a um 21º. Lugar, entre 60 participantes. Excelente.
Mais uma vitória para o Peña Autocross, através de Anton Mirás. Uma vitória com marca portuguesa, pois foi conquistada com um Semog. Segundo foi Maikel Vilariño, com um Yacar Cross, seguido de Joaquim Amil, com um Kim Car. Classificação final
Faltava a muito aguardada final da Divisão 1, com 14 pilotos em pista, visto que um dos apurados não compareceu. Uma divisão com dois pilotos do nosso campeonato de Ralicross. Dany Moreau, que ficou num excelente sexto posto final e Daniel Costa, que por uma “unha negra”, não foi apurado para a final.
Depois de oito voltas de muita emoção, três pilotos do Autocross Arteixo, nos três primeiros lugares. Angel Perez Santos, em Mitsubishi Lancer, Victor Morante, em Audi TT Turbo 4×4, e Alex Riveiro, Peugeot 306 Proto, que era o nosso favorito. Infelizmente uma jante partida, no sábado, seguida de uma vitória no domingo, atirou-o para a 10ª. posição na grelha da final. Teve de recuperar sete lugares, para chegar ao pódio. Excelente. Classificação final
Pouco passava das 14 horas e 30 minutos, de Espanha, quando tudo estava terminado e todos os pódios feitos.
Mais uma excelente organização do Peña Autocross de Arteixo, com todos os intervenientes a mostrarem que a máquina organizativa está bem oleada. Estão todos de parabéns.
Para o próximo ano, lá estaremos. Esperamos que estes 12 meses, passem depressa.

 

Scroll To Top