Sexta-feira , Maio 25 2018
ÚLTIMAS
Home / RALI / Challenge 1000 com fiabilidade distinta no Rali de Santo Tirso
Challenge 1000 com fiabilidade  distinta no Rali de Santo Tirso

Challenge 1000 com fiabilidade distinta no Rali de Santo Tirso

 

 

Pequenos Peugeot e Citroën já são modelos emblemáticos da novel competição promovida pela Art of Speed. No Rali de Santo Tirso todos chegaram ao fim e o triunfo foi de Filipe Leite.

 

Art of Speed concebeu o Challenge 1000 e o Rali de Santo Tirso foi o “escolhido” para a primeira prova, que serviu para o exame geral de fiabilidade e competitividade. Três Peugeot 107 e dois Citroën C1 foram colocados à prova.

A adrenalina e a emoção viajaram juntas e de mãos dadas. Dois sentimentos peculiares ao longo de nove provas especiais. O Challenge 1000 atraiu e despertou a paixão pela competição entre todos os amantes da competição automóvel.

Os pilotos, sem excepção, foram extremamente competentes na condução das suas novas máquinas, ajudados pela precisão das notas ditadas pelos navegadores. Os motores responderam cabalmente aos requisitos, numa invulgar fiabilidade com todas as equipas a terminarem os seus compromissos.

Um enorme desafio quer para as equipas participantes do Challenge 1000, mas ao mesmo tempo um risco – por certo calculado – que o responsável Frederico Luís Formiga correu ao enfrentar este impulso para que esta competição fosse por diante. E logo 100 por cento fiável com todas as viaturas a chegar ao fim.

Na primeira prova do Challenge 1000, e depois de um início dominador da formação promotora da iniciativa da Art of Speed, Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves, iniciado na superespecial nocturna mas penalizado por um furo no segundo dia, a dupla de Amarante foi a grande vencedora da primeira prova do Challenge 1000.

Filipe Leite e José Carlos Leite conduziram o Peugeot 107 ao triunfo, numa demonstração de resistência e arrojo, sendo uma mais-valia para a prova em geral e uma maneira da dupla não perder ritmo de competição. O equilíbrio de andamentos foi uma constante, com o piloto da região Norte e sub-região do Tâmega a destacar-se com o tempo de 53m56,3s.

Impedidos de “roubar” pontos mas sem descurar a oportunidade de procurar o triunfo que lhes escapou devido a imponderáveis próprios da competição automóvel não os terem impedido de lutar até final pela vitória, Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves, em viatura idêntica, gastaram mais 13,1 segundos, numa luta interessante de acompanhar.

 

 

Mas a grande surpresa do baptismo do Challenge 1000 é proveniente do Bussaco. Trata-se de Pedro Pereira Jr. que, navegado por Sandro Trindade, deu por concluída a sua participação no Rali de Santo Tirso com o tempo de 54m59,0s, numa prova em que ficará gravada para sempre na memória de ambos os jovens já que também foi uma estreia absoluta numa competição automóvel e a ocupar o patamar intermédio do pódio.

Pese embora alguns contratempos, a jovem dupla do Peugeot 107 foi alimentando o desenvolvimento especial após especial, culminando com a vitória no derradeiro troço, o que traduz na perfeição o empenho evidenciado.

Perante uma prova com características diferentes daquelas que já foram efectuadas, não foi, por isso, retirado o poder de fogo a António Joaquim Pereira (pai) e Martim Pereira (filho). Ao volante de um Citroën C1, o “segredo” familiar e a sua relação com as dificuldades de aprendizagem foram sendo desvendados gradualmente e, no final, tiveram direito e derramar o espumante em sinal de pódio, gastando 55m54,4s para concluir a prova tirsense.

A este quarteto juntaram-se João Alvoeiro e António Baptista. Também ao volante de um Citroën C1, os conimbricenses foram os que mais dificuldades sentiram, embora nunca tenham deixado de acreditar nas sus potencialidades para levar a pequena viatura da marca francesa de outrem ao fim.

Até por isso, a “táctica” assumiu um papel mais comedido e determinante para não entrar em euforias, ainda que, de um modo geral, os pisos de asfalto das provas especiais sejam, na maior parte dos casos, de excelente qualidade. A dupla não deixou, no entanto, de contabilizar os primeiros pontos, fruto de um desempenho mais discreto como figura de destaque na prova tirsense.

O Challenge 1000 deu vida a um conceito que privilegiou regressos e despertou sonhos, com a próxima prova agendada para os dias 8 e 9 de Junho com o Rali Vidreiro Centro de Portugal 2018, prova organizada pelo Clube Automóvel da Marinha Grande e que contará com mais “caras novas”.

 

 

Scroll To Top