Sábado , Dezembro 16 2017
ÚLTIMAS
Home / RALI / CITROËN C3 WRC REGRESSAM AO ASFALTO
CITROËN C3 WRC REGRESSAM AO ASFALTO

CITROËN C3 WRC REGRESSAM AO ASFALTO

Após cinco provas em terra, o WRC regressa ao alcatrão para a décima ronda da temporada. A Citroën Total Abu Dhabi WRT alinha no Rali da Alemanha ADAC com três C3 WRC para as duplas
Kris Meeke / Paul Nagle, Craig Breen / Scott Martin e Andreas Mikkeelsen / Anders Jaeger.

 

 

UM RALI MUITO ESPECIAL PARA A CITROËN RACING

Desde 2002, e com a sua inclusão no calendário do Campeonato do Mundo FIA, o Rali da Alemanha ADAC tornou-se num dos pontos altos da temporada. A história da prova está intimamente ligada à da Citroën, que se pode gabar de 12 vitórias consecutivas na Alemanha – incluindo 11 em WRC – graças aos talentos de Philippe Bugalski, Sébastien Loeb, Sébastien Ogier e Dani Sordo. Com efeito,  a Citroën tem mais sucessos neste evento do que qualquer outra.

É habitual dizer-se que “a Alemanha” é formada por três ralis num só rali. É indicutível que as várias especiais são todas bastante diferentes, o que torna as coisas complicadas em termos de set-up e afinações dos carros, gestão de pneus e estilo de condução.  Além disso, há que contar com a meteorologia que, muitas vezes, dificulta as condições.

Este ano, o rali começa ao final da tarde de quinta-feira com um prólogo citadino cronometrado em Saarbrücken, a capital do Sarre. Na sexta-feira, os concorrentes percorrem as zonas de vinhas ao longo do rio Mosel, cumprindo as agora clássicas Especias de Mittelmosel e Grafschaft, mais três passagens pela nova Super Especial de Wadern-Weiskirchen. No dia seguinte, as equipas dirigem-se para a base militar de Baumholder cuja pista em cimento é ladeada por hinkelsteins, ou seja, bermas com enormes pedras anti-tanque. Ali, as Especiais de Panzerplatte irão, certamente, dilatar os tempos entre os concorrentes. No domingo, assistir-se-à um novo formato para a Etapa final, com uma Especial em Losheim am See e regresso a St. Wandeler Land para o final do rali.

Existem diversas novidades no programa, nomeadamente a mudança de local do parque de assistência do rali, agora localizado junto ao rio em Bostalsee em vez de Trier.

 

OBJETIVOS: PROGREDIR COM BASE NO TRABALHO FEITO NOS TESTES

Com estradas rápidas recheadas de ganchos na sexta-feira, pistas militares no sábado e amplas estradas rurais no domingo, o Rali da Alemanha ADAC oferece três tipos de piso bem diferentes, exigindo um aturado trabalho de preparação por parte das equipas de engenheiros e dos pilotos.

Nesse sentido, a Citroën Racing realizou sete dias de testes com o C3 WRC em ritmo de preparação para a prova. Kris Meeke, Craig Breen e Andreas Mikkelsen trabalhar por turnos de forma a reuniar a máxima informação possível e decidir quais as melhores afinações em função da meteorologia. No último dia de testes, Sébastien Loeb completou a sua primeira sessão de testes ao volante do Citroën. Todos estes dados serão extremamente valiosos no decorrer do rali, mas a equipa terá sempre de estar atenta à meteorologia.

Esta é a segunda prova da temporada totalmente em asfalto, e as equipas da Citroën Total Abu Dhabi WRT têm alguns trunfos na manga. Kris Meeke e Paul Nagle, que comandaram o Rali da Córsega até serem afastados devido a problemas de mecânicos, vão querer acertar as contas. Quanto a Andreas Mikkelsen e Andres Jaeger, basta recordar que, em 2016, a dupla tinha os melhores tempos no final da primeira Especial do Rali da Alemanha e apostam tudo numa participação de relevo nesta sua primeira prova em alcatrão com o C3 WRC.

Embora com uma experiência algo limitada neste tipo de piso, Craig Breen e Scott Martin vão, mais uma vez, apostar tud para um lugar entre os cinco primeiros, um resultado que já obtiveram por cinco vezes e que os coloca na sétima posição da classificção do Campeonato do Mundo.

O RALI DA ALEMANHA 2017 EM NÚMEROS

  • 21 Especiais, totalizando 309,17 km cronometrados
  • 36 pneus Michelin Pilot Sport por piloto para o rali, a escolher entre 32 de composto mais duro (H5), 24 de composto mais mole (S5) e 8 para piso molhado (FW3)
  • 300 km percorridos em sete dias de testes, o equivalente a meia temporada de WRC!
  • 12 vitórias consecutivas para a Citroën na Alemanha: 1 para Bugalski (2001, fora do WRC), 9 para Loeb (2002 a 2010 e 2012), 1 para Ogier (2011) e 1 para Sordo( 2013)

 

O QUE ELES DISSERAM…

YVES MATTON, DIRETOR DA CITROËN RACING: “Para preparmos este rali, realizámos uma das mais intensas sessões de testes na história da Citroën Racing. Nos primeiros seis dias, os pilotos convocados andaram nos três tipos de piso que vão encontrar ao longo da prova. Todos ficaram satisfeitos com o trabalho feito. Depois foi a vez de Sésbatien Loeb e Daniel Elena realizarem um dia de trabalho extra. A chuva que caiu durante a manhã não foi o ideal, mas ajudou-nos a reunir informação preciosa acerca da condução nestas condições específicas. Com o piso seco, as impressões do Seb foram iguais às do Kris, do Craig e do Andreas e comparámos os diferentes tipos de ‘feedback’ técnico. Tudo parece estar em consistência com os dados recolhidos após a Volta à Córsega, onde ficou bem claro o elevado nível competirtivo dos C3 WRC no alcatrão. Tal como já aconteceu por diversas vezes nesta temporada, a prova cerá certamente muito disputada. Temos como objetivo estar nos lugares da frente mas é difícil fazer quaisquer tipo de previsões, especialmente porque a meteorologia pode influenciar significativamente o desenrolar da prova.”

 

KRIS MEEKE: “Na Volta à Córsega vimos bem o potencial dos C3 WRC no alcatrão. A Alemanha é um caso diferente, mas estou com  o mesmo bom ‘feeling’ que senti nos testes. Experimentei o carro em pisos e condições meteorológicas  diferentes. A abordagem a este rali é muito difícil porque existem três diferentes tipos de piso e o tempo raramente se mantém igual do princípio ao fim. Gosto imenso de conduzir ao longo das vinhas: à velocidade máxima em estradas muito apertadas e sinuosas, temos de ser extremamente precisos na direção. Mas se queremos obter um bom lugar final, temos mesmo de andar a fundo do primeiro ao último quilómetro.”

Nº de participações na prova: 6; Melhor resultado: 12º lugar (2015)

 

CRAIG BREEN: “Só participei duas vezes neste rali e esta será a minha estreia ao volante de um carro do WRC. A minha experiência é limitada mas estou extremamente motivado porque adoro ralis em alcatrão. Com um resultado satisfatório na Córsega e uma boa sessão de testes antes da Alemanha, vou tentar manter este pensamento positivo. Quanto às Especiais, mas estou ansioso por conduzir ao longo das vinhas de Mosel. Entre curvas e ganchos, temos de perceber as mudanças de aderência e encontrar o ritmos. Estou também empolgado com a Etapa de domingo, que é uma novidade para todos.”

Nº de participações na prova: 2; Melhor resultado: 18º lugar (2015)

 

 

 

ANDREAS MIKKELSEN: “O meu rali preferido é a Catalunha, mas gosto muito do percurso do Rali da Alemanha. Estou encantado por competir ao volante do C3 WRC e acho que identificámos as afinações certas para os diferentes tipos de terreno. Pela primeira vez na minha carreira, pude testar en Baumholder, o que me ajudou a saber mais sobre gestão dos pneus e travagem. Tal como todo os outros, tenho a certeza de que as condições meteorológicas vão ter uma influência significativa na prova. Se estiver seco na sexta-feira e se me sentor à vontade com carro, acho que posso apontar para aum lugar no pódio.”

Nº de participações na prova:6; Melhor resultado: – 3º (2014 e 2015)

 

Scroll To Top