Sexta-feira , Novembro 24 2017
ÚLTIMAS
Home / MOTOS / Dia quente no AIA
Dia quente no AIA

Dia quente no AIA

Após uma longa paragem motivada pela adiamento da primeira visita do campeonato ao circuito minhoto de Braga, o campeonato nacional de velocidade regressou ontem ás pistas para discutir a sua terceira ronda do ano no circuito do Autódromo Internacional do Algarve.

Em dia de muito calor os pilotos presentes divididos pelas cinco classes em competição cumpriram um programa bastante compacto de treinos e corridas ao longo de todo o dia de Domingo num dos mais exigentes e técnicos traçados a nível mundial. Com os termómetros a marcarem mais de 30 graus centigrados para muitos pilotos e máquinas este regresso ás pistas foi igualmente uma prova de esforço.

Numa tarde quente assistiram-se a corridas bastante interessantes, com especial destaque para a classe maior do campeonato, as Superbike, onde mais uma vez Tiago Magalhães e André Pires foram protagonistas. Com duas vitórias no campeonato à chegada a Portimão Tiago Magalhães assinou a ‘pole’ na frente do campeão nacional André Pires, este ano aos comandos de uma Yamaha R1, com mais de um segundo a separar as duas voltas mais rápidas de ambos aos 4.592 metros da pista do AIA. A fechar a primeira linha da grelha colocou-se Pedro Monteiro.

A corrida seria marcada pela luta entre Magalhães e Pires, que cedo descolaram do restante pelotão naquela que seria mais uma reedição das lutas travadas entre ambos nas duas anteriores rondas do campeonato realizadas no Autódromo do Estoril. Mas na nona das 16 voltas em agenda o piloto da Yamaha viu a corrente de transmissão da sua moto ceder e André Pires ficou parado no circuito impotente para travar a terceira vitória consecutiva da Kawasaki de Tiago Magalhães. Este assinou o ser terceiro sucesso consecutivo no campeonato, cruzando a linha de meta na frente de Rui Reigoto e Ricardo Lopes, que o acompanharam no pódio final daquela que foi a derradeira corrida do dia em Portimão.

Nas Superstock 600 não faltou igualmente animação. Depois de Ivo Lopes colocar mais de um segundo entre si e o principal adversário, Pedro Nuno, na qualificação, e com Romeu Leite a fechar a primeira linha de uma grelha de partida onde estiveram 11 pilotos, a corrida começou novamente com a luta entre Lopes e Pedro Nuno a animar o muro de boxes, mas depois de um susto ainda nas primeiras voltas, quando estava a discutir a liderança, Pedro Nuno perdeu terreno para Lopes e optou mesmo por segurar a segunda posição pensando em termos de campeonato. Ivo liderou desde a quarta volta e cruzou a linha meta no final das 16 passagens com mais de quinze segundos para Pedro Nuno, com Romeu Leite a fechar o pódio depois de uma igualmente animada discussão com Tiago Cleto que o viu concluir a corrida separados por margem muito reduzida, tendo ambos assinado mesmo as suas melhores voltas em corrida na derradeira passagem pelo traçado.

Presentes em Portimão estiveram igualmente os pilotos das classes Troféu Século XXI – Troféu Luís Carreira, com a vitória a sorrir a Nuno Nogueira – de regresso ás pistas depois de cinco anos de ausência – na frente de Rui Felisberto e Tony Costa, enquanto que nas Clássicas foi Alberto Pires a vencer com a sua Yamaha TZ na frente do ex-campeão nacional de TT Rodrigo Amaral, agora a experimentar novas sensações na competição mas com igual sucesso. Quem fechou o pódio na categoria foi André Caetano.

O pelotão de Moto Júnior contou com apenas três pilotos na linha de meta – devido ao abandono de Vasco Esturrado – com a vitória a sorrir a João Vieira na frente de Paulo Leite e Bruna Lopes.

Classificações

Superbike
1º Tiago Magalhães – Kawasaki com 16 voltas; 2º Rui Reigoto – Kawasaki a 43.898s; 3º Ricardo Lopes – BMW a 47.126s; 4º Nuno Farias – Kawasaki a 1m03.875s; 5º Mário Alves – BMW a 1m04.384s

Superstock 600
1º Ivo Lopes – Yamaha com 16 voltas; 2º Pedro Nuno – Yamaha a 15.182s; 3º Romeu Leite – Yamaha a 37.841s; 4º Tiago Cleto – Yamaha a 37.914s; 5º Eusébio Nogueira – Yamaha a 1m02.023s

Troféu Século XXI – Taça Luís Carreira
1º Nuno Nogueira – Honda com 10 voltas; 2º Rui Felisberto a 16.344s; 3º Tony Costa – Ducati a 33.515s; 4º Eduardo Cabreira – Aprilia a 33.903s; 5º Pedro Flores – Kawasaki a 38.345s

Clássicas
1º Alberto Pires – Yamaha com 8 voltas; 2º Rodrigo Amaral – Honda a 12,747s; 3º André Caetano a 12.979s; 4º Bernardo Villar – Honda a 42.170s; 5º Fernando Pedrinho – Yamaha a 57.349s

Júnior
1º João Vieira com 8 voltas; 2º Paulo Leite a 41.006s; 3º Bruna Lopes a 1m35.857s

 

Scroll To Top