Sexta-feira , Fevereiro 23 2018
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Espírito conquistador de Álvaro Parente impressiona
Espírito conquistador de Álvaro Parente impressiona

Espírito conquistador de Álvaro Parente impressiona

Álvaro Parente terminou as 12 Horas de Bathurst no quinto posto, depois de uma recuperação fantástica, que viu o McLaren 650S #1 que dividiu com Rob Bell e Côme Ledogar reconquistar mais de duas voltas.

 

O português e os seus colegas de equipa sabiam que teriam uma tarefa difícil para replicar a vitória de 2016, uma vez que, devido à mudança de motor por precaução, teriam que arrancar da via das boxes e da quinquagésima e última posição.

 

Ainda assim, Rob Bell realizou um bom início de prova e na vigésima primeira volta era o vigésimo primeiro classificado a pouco mais de um minuto dos primeiros, o que abria boas perspectivas para a corrida restante.

 

No entanto, na volta seguinte, um sensor pouco cooperativo obrigou o piloto inglês a regressar às boxes a baixa velocidade – com o carro bloqueado no limitador de velocidade na via das boxes – o que significou perder duas voltas em pista e uma volta para resolver a contrariedade, o que consistia num atraso de quase quatro voltas para os lideres.

 

Apesar das perspectivas de um bom resultado se terem esfumado quase definitivamente, o trio do McLaren 650S #1 aplicou-se a fundo e passou a atacar a cada momento, sobretudo o português que, durante o seu primeiro turno, foi claramente o piloto mais rápido em pista, ganhando mais de quarenta segundos aos primeiros classificados.

 

Álvaro Parente e os seus colegas de equipa, apoiados por um bom trabalho de boxes e por uma boa estratégia da TEKNO Autosports, foram recuperando posições e voltas, terminando as 12 Horas de Bathurst no quinto lugar, a uma volta dos vencedores e a vinte e seis segundos de ascender ao pódio.

 

“Quando entrei no carro, sabia que se quiséssemos ainda alcançar um bom resultado teria que atacar. Fiz todo o meu primeiro turno como se cada volta fosse uma volta de qualificação. Foi alucinante, a um ritmo tremendo, sobretudo na zona da montanha. Penso que foi muito importante, dado que nos permitiu ganhar muito tempo e aproveitar os Safety-Cars para subir na classificação e para recuperar voltas face aos primeiros”, frisou o piloto oficial da McLaren GT.

 

O português considera que, sem os problemas iniciais, pelo menos, um lugar no pódio seria possível. “Foi pena aquele problema inicial com um sensor que começou a funcionar mal. A TEKNO Autosports esteve fantástica, o McLaren 650S estava muito rápido e nós, os pilotos, também estivemos muito fortes. Acredito que o nosso lugar era no pódio e a lutar pela vitória, mas por vezes as corridas são assim. Porém, fizemos uma recuperação brilhante e todos nós devemos estar orgulhosos do trabalho que desenvolvemos ao longo de todo o fim-de-semana. Mostrámos que este ano têm que voltar a contar connosco”, concluiu Álvaro Parente.

 

Scroll To Top