Segunda-feira , Outubro 22 2018
ÚLTIMAS
Home / RALI / Fontes com vitória épica em Castelo Branco
Fontes com vitória épica em Castelo Branco

Fontes com vitória épica em Castelo Branco

 

 

Campeão nacional garante triunfo por 2,6 segundos

 

José Pedro Fontes e Inês Ponte foram os grandes vencedores da edição de 2017 do Rali de Castelo Branco. A dupla campeã nacional assegurou o triunfo depois de um embate épico com Carlos Vieira que ficou no segundo lugar a 2,6 segundos de diferença. O vencedor da edição de 2016, João Barros, acabou no último lugar do pódio.

 

A segunda jornada do campeonato nacional de ralis ficou marcada por um verdadeiro duelo entre pilotos ao volante de viaturas iguais, o Citroën DS3 R5. Desde a primeira classificativa que ambos mostraram capacidade para discutir o primeiro lugar. Durante a etapa inicial, João Barros, em Ford Fiesta, ainda se imiscuiu neste confronto e, apesar de alguns problemas de travões no carro, acalentou esperanças de repetir a vitória do ano anterior.

 

Mas nas seis classificativas que a Escuderia Castelo Branco reservou para o dia de hoje, só Fontes e Vieira foram os mais rápidos. Os dois terminam esta prova com quatro vitórias em troços. Cada um venceu uma especial na véspera e na etapa de hoje somou mais três triunfos.

 

Durante a manhã, Carlos Vieira foi o mais rápido nas duas primeiras classificativas. Antes do final da secção, José Pedro Fontes respondeu e recuperou o primeiro lugar. Durante a tarde, o portuense voltou a registar o melhor tempo. Mas em Fonte Longa 2, Vieira conseguiu bater o rival e ambos partiram para o último confronto separados por um segundo.

 

A tensão era tão grande como a emoção. Era certo que só no derradeiro controlo se saberia quem venceria o Rali de Castelo Branco de 2017. E aí, o melhor foi José Pedro Fontes. Bateu a concorrência na classificativa final e chegou ao pódio final com 2,6 segundos de vantagem sobre Carlos Vieira.

“Foi muito importante vencer o Rali de Castelo Branco. Tivemos uma grande luta com o Carlos Vieira que poderia pender para qualquer lado. Se tivesse caído para o lado dele, a vitória também seria bem entregue. Ele tem vindo a evoluir bastante. No rali, andámos sempre no máximo e as diferenças de tempo mostra isso”, afirmou José Pedro Fontes.

 

Para Carlos Vieira, o resultado também foi positivo. “Entrámos para o último troço com o objectivo de ganhar a especial e o rali. Mas acabou por não me correr tão bem como desejava. Estou satisfeito com o meu desempenho. Melhorei bastante nos últimos 12 meses e isso verificou-se nos tempos face à edição do ano passado.”

 

Durante a última etapa, João Barros não sentiu os problemas de travões no carro que o incomodaram na véspera mas, apesar disso, teve de se contentar em assistir de perto a confronto entre os dois primeiros.

 

Miguel Barbosa (Skoda Fabia R5) continuou a evolução nos ralis e estava satisfeito com os progressos registados que lhe valeram o quarto lugar absoluto. Na quinta posição, Ricardo Teodósio (Mitsubishi Lancer Evo X) assegurou a vitória no Agrupamento de Produção, a classe RC2N. O piloto algarvio teve uma participação a crescer e a prova disso foi a margem que conquistou, ao longo dos dois dias, face ao segundo classificado, Carlos Martins, em carro igual ao de Teodósio. O piloto alentejano fechou no sétimo lugar absoluto logo atrás de Francisco Cima que, em Renault Clio R3T, foi o melhor em carros com duas rodas motrizes.

 

Neste particular, o espanhol protagonizou um despique interessante com o seu compatriota, Javier Bouzas. Mas a experiência alcançada na edição do ano anterior foi valiosa para ser o melhor. Com este resultado, Cima conseguiu, ainda conquistar a vitória no troféu ibérico Renault Clio.

 

Entre os concorrentes do campeonato 2R/2L, Pedro Antunes (Peugeot 208 R2) foi o grande vencedor. O nono lugar à geral foi também um prémio para o jovem piloto que deixou Paulo Neto (Citroën DS3 R1) em segundo do campeonato, a 5,6s.

 

No Challenge DS3 R1, destaque para a vitória folgada de Diogo Soares. O vencedor do troféu em 2016 mostrou-se surpreendido com os resultados troço após troço. A presença de pilotos mais experientes como João Ruivo e Miguel J. Barbosa fê-lo pensar que a vitória não estaria ao alcance. Mas é certo que o jovem madeirense mostrou todo a sua competitividade no asfalto da Beira Baixa e selou a primeira vitória de 2017.

 

O Rali de Castelo Branco também pontuou para a Taça Nacional de Ralis de Asfalto, competição em que Fernando Teotónio (Mitsubishi Lancer Evo VII) foi categórico. A diferença de 2m35,4 segundos para Nelson Trindade revela bem a sua superioridade.

 

Na prova Extra, a dupla Ricardo Coelho/Beatriz Pinto, em Toyota Starlet, levou a melhor sobre Aníbal Rolo e Emílio Reixa que foram segundo e terceiro, respectivamente.

 

Classificação final

1º J.P.Fontes/I. Ponte                         Citroën DS3 R5                    1h05m24,2s

2º C. Vieira/J. Carvalho                      Citroën DS3 R5                    a 2,6s

3º J. Barros/J. Henriques                   Ford Fiesta R5                      a 33,4s

4º M. Barbosa/M Ramalho                Skoda Fabia R5                    a 2m49,4s

5º R. Teodósio/J. Teixeira                  Mitsubishi Lancer Evo X     a 4m34,4s

 

Nuno Dinis

 

Scroll To Top