Terça-feira , Outubro 16 2018
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Ford GT40 de Nolte/Stippler triunfa Iberian Historic Endurance 250KM Estoril 2015 Corrida Pré-1981
Ford GT40 de Nolte/Stippler triunfa Iberian Historic Endurance 250KM Estoril 2015 Corrida Pré-1981

Ford GT40 de Nolte/Stippler triunfa Iberian Historic Endurance 250KM Estoril 2015 Corrida Pré-1981

Ford GT40 de Nolte/Stippler triunfa à frente de Porsche 911 espanhol e de Ford Capri inglês

  • Quatro líderes distintos ao longo das duas horas de prova
  • Historic Endurance partilhou a pista com os Classic Super Stock
  • Quase quatro dezenas de automóveis em competição

 

Georg Nolte e Frank Stippler voltaram a destacar-se, desta vez nos 250 KM do Estoril para carros até 1981. A dupla alemã levou o Ford GT40 à vitória numa prova extremamente disputada e que assistiu a inúmeras mudanças de líder ao longo das duas horas. No total, foram quatro as formações que estiveram na frente da competição, mas foi a equipa germânica que conquistou o triunfo.

 

O Ford GT40 triunfou na categoria para modelos construídos até 1981, enquanto Alfredo Martinez e Jesus Fuster colocaram o Porsche 911 3.0 RS na frente entre os H76. O pódio dos H81 ficou completo pelo Ford Escort RS 2000 Mk2 de Luís Carlos, que ficou em segundo, e pelo Jaguar XJS de Luís Sousa Ribeiro/António Silva, que acabou em terceiro. Entre os H76, a equipa Paul Pochciol/Mark Wrigley, em Ford Capri, concluiu em segundo e o pódio ficou completo com Gonçalo Gomes/Mário Silva, em Ford Escort RS 1600, na terceira posição.

 

O Circuito do Estoril voltou a abrir bem cedo para receber carros cheios de história e de corridas. O dia começou com a sessão de treinos cronometrados. Durante uma hora, as equipas procuraram percorrer os 4,182 km no menor tempo possível. Georg Nolte e Frank Stippler voltaram a ser os mais rápidos. Depois de se terem imposto na véspera com o Bizarrini 5300 GT, agora fizeram-no aos comandos do rápido Ford GT40, um dos modelos inscritos na categoria H81. A dupla alemã fez um tempo canhão, 1m52,125s, e logo numa das primeiras voltas ao traçado. O segundo melhor tempo foi de Alfredo Martinez/Jesus Fuster, num precioso Porsche 911 3.0 RS, e o terceiro foi alcançado pelo De Tomaso Pantera de Maarten Fokke/Pieter Boel, ambos da categoria H76.

 

Mas a corrida era longa. 60 voltas ou duas horas de competição com partida marcada para as 15h30. O objectivo era claro. As equipas iriam experienciar algo semelhante à corrida da véspera, reservada a carros feitos até 1971. Ou seja, competiriam ao entardecer e terminariam já com o sol posto.

 

No arranque, Alfredo Martinez e Jesus Fuster passaram pelo comando. Ali se mantiveram até à 22ª volta, momento em que cederam o primeiro posto a Pochcioli/Wrigley. “Nas corridas de endurance é preciso estratégia e cuidar a mecânica”, disse Fuster para justificar o porquê de não ter conseguido manter a primeira posição. A liderança do Ford Capri durou apenas cinco voltas. Foi aí que outro Porsche, o de Albiñana e Tejeiro, saltou para o primeiro lugar.

 

Gonçalo Gomes e Mário Silva foram os únicos portugueses a comandar a corrida. Fizeram-no com o seu Escort RS 1600 durante quatro voltas. Mas, entretanto, o Ford GT de Nolte/Stippler estava extremamente veloz e a recuperar posição atrás de posição. Foi assim que assumiu a liderança à volta 41 e repetiu o triunfo alcançado com o Bizarrini na véspera.

“Gostei muito. Já tinha vindo ao Estoril no ano passado e é fantástico. A corrida de hoje foi mais difícil do que a de ontem porque os travões do carro não funcionaram muito bem”, explicou Georg Nolte antes da cerimónia do pódio.

 

Quem também sofreu com problemas nos travões do carro foi Pochciol e Wrigley. A dupla do Capri contou que foi mais evidente nas últimas voltas e apesar de não terem conseguido a vitória, o resultado foi muito positivo.

 

O organizador do Historic Endurance, Diogo Ferrão, não podia estar mais satisfeito com o a forma como terminou a temporada. “Foi um final de festa muito bonito. Tivemos carros lindíssimos em pista, uma adesão muito grande, pilotos de oito nacionalidades e corridas emotivas, com trocas de posição, fair-play e um respeito enorme pela história do automobilismo e pelas corridas de resistência. Depois da emocionante corrida de ontem, hoje voltámos a ter uma prova com quase 40 carros em pista que deram mais um grande espectáculo ao cair do dia”, afirmou.

 

Quem visitou o Circuito do Estoril pôde, ainda, observar em acção modelos tão distintos como um De Tomaso Pantera, um Opel Ascona SR ou um Mini Ima pilotado por Francisco Guedes, piloto que habitualmente compete no European Le Mans Series ao volante de um Ferrari.

 

Scroll To Top