Quarta-feira , Setembro 19 2018
ÚLTIMAS
Home / RALI / GONÇALVES VENCE NA CATEGORIA MAIS COMPETITIVA (por Rodrigo Vasconcelos)
GONÇALVES VENCE NA CATEGORIA MAIS COMPETITIVA (por Rodrigo Vasconcelos)

GONÇALVES VENCE NA CATEGORIA MAIS COMPETITIVA (por Rodrigo Vasconcelos)

Bruno Gonçalves voltou a ganhar entre os Super 1600. Uma categoria que está muito competitiva, como os resultados o confirmam.
Quanto a Mação, bem se poderá referir que houve “quatro galos para um poleiro”. Ou mesmo cinco, pois a Super 2000 correu juntamente.
Nos treinos oficiais, Buno Gonçalves foi o mais rápido, seguido de Tiago Alexandre (Super 2000), Pedro Ribeiro, Hugo Lopes e Pedro Almeida. Entre o primeiro e o quarto – Gonçalves e Lopes – a diferença foi de 75 centésimos de segundo. E, Pedro Almeida, em quinto, não estava longe.
Nas qualificações, três capotanços. Na primeira corrida, ainda no sábado, o de Pedro Ribeiro. Felizmente, embora muito maltratado, o carro ficou pronto para o dia seguinte. No domingo, na segunda corrida, e no decorrer da segunda volta, é Tiago Alexandre quem capota. Como se tal não chegasse, na volta seguinte, também Hugo Lopes é protagonista de mais um capotanço. Deixa de ver, pois o para-brisas fica totalmente enlameado e o azar acontece. De parabéns a AMS, pela rapidez com que recuperou o Saxo.
Uma pista muito enlameada, que levou à existência de algumas ratoeiras, a muita rapidez que todos impõem nesta categoria, terão levado a estes três acidentes. Felizmente, sem que nada acontecesse aos pilotos. O único que não continuou, e talvez por vontade própria, foi Tiago Alexandre. Parece que, face ao que aconteceu com os atuais regulamentos da Super 2000, ao afastarem pilotos, Alexandre poderá terminar a temporada por aqui. Esperemos que não.
Com três vitórias, nas corridas de qualificação, Bruno Gonçalves ficou com a pole e com um ponto para o Campeonato, que é de quem a conquista. Ao seu lado, estavam Pedro Almeida e Pedro Ribeiro. Na segunda linha, Hugo Lopes, com o lugar de Tiago Alexandre livre.
Luz vermelha a apagar-se e quem chega na frente, à primeira curva, é Gonçalves, seguido de Almeida, Lopes e Ribeiro. Almeida, entra na Joker, o que poderá ter sido uma má estratégia. Pouco depois, Pedro Ribeiro passa Hugo Lopes, mas de forma menos correta. Hugo que, com esse empurrão, ainda perde uma posição para Pedro Almeida.
Segunda volta, com Bruno Gonçalves na frente, já um pouco distanciado. Pedro Ribeiro é segundo, Pedro Almeida terceiro e Hugo Lopes quarto. Lopes, logo a seguir, entra na Joker.
Até ao baixar da bandeira de xadrez, Hugo Lopes recupera posições, aproximando-se de Bruno Gonçalves, que está a gerir a corrida. Lopes termina em segundo, ficando como detentor da volta mais rápida, a segunda de todas as divisões dos carros. Pedro Ribeiro é terceiro, depois de por alguns momentos até ter estado na liderança, mas não “evita” uma passagem pelo Colégio de Comissários Desportivos. Pedro Almeida, completa a final na quarta posição. Para ele e para Gonçalves, ficará para a história o facto de serem os únicos que não capotaram, nesta prova que reuniu os Super 1600 e o único Super 2000 presente. O ponto “extra”, da final, vai para Hugo Lopes. Veja AQUI a classificação.
Em Castelo Branco, deseja-se que o rol dos participantes, seja bem maior.

 

Scroll To Top