Terça-feira , Junho 19 2018
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Iberian Historic Endurance Grand Prix Historique Pau
Iberian Historic Endurance Grand Prix Historique Pau

Iberian Historic Endurance Grand Prix Historique Pau

Uma das principais competições do Grand Prix Historique de Pau, a corrida do Historic Endurance, foi uma autêntica festa com 40 carros em pista e muitas discussões pelos melhores lugares. A prova ficou marcada pela variedade, com mais de 15 marcas presentes e pilotos provenientes de sete países distintos, numa bonita celebração do automobilismo histórico.

 

O circuito desenhado nas ruas da cidade francesa de Pau, bem perto do Pirinéus, voltou a ser invadida por clássicos e verdadeiras preciosidades do desporto automóvel internacional. Durante dois dias celebrou-se a paixão pelos automóveis de competição.

 

No primeiro dia, os treinos cronometrados foram realizados debaixo de um sol brilhante e temperaturas de Verão. Perante estas condições, quem mais se destacou foi a equipa do Porsche 911 3.0 RS constituída por Luis Lopez e Alvaro Rodriguez. Os espanhóis garantiram a pole-position, à frente de Florent Cazalot, que ao volante do Lotus 7, estabeleceu a segunda melhor marca. Jorge Lopez, também com um potente e eficaz Porsche 911 3.0 RS, ficou com o terceiro registo. Alexis Raoux, em Porsche 911 2.3 ST, obteve o tempo mais baixo entre os H-1971.

 

Os três estavam, à partida, melhor colocados para lutarem pelos lugares da frente. Mas a meteorologia indicava que as condições climatéricas iam mudar e a chuva podia marcar o dia da corrida. Às 14h50 (hora local) o arranque ficou marcado pelo dilúvio que caiu na cidade gaulesa. Florent Cazalot foi quem melhor saiu da sua posição e assumiu o comando da classificação. O francês que há três anos perseguia o triunfo na corrida perante o seu público, dava um passo importante em busca desse pecúlio.

 

Com o Lotus 7 na frente, formou-se um grupo perseguidor. Os Porsches de Raoux, da dupla Lopez/ Rodriguez, de Jorge Lopez e de Salam/Gandon e o Lotus Elan da família Bradshaw discutiam a segunda posição. Entretanto, as duplas espanhola e inglesa abandonaram com problemas mecânicos e só três carros se mantiveram em busca do líder.

 

A meio da competição, a chuva deixou de cair e as condições da pista alteraram-se. Volta após volta, o traçado de Pau apresentava menos água e quem dispunha de modelos mais potentes começou a recuperar face a Cazalot. Salam/Gandon foi quem mais tirou partido dessa mudança. A dupla gaulesa, não só passou os Porsche de Jorge Lopez e de Alexis Raoux, como apanhou e superou o até então líder, Florent Cazalot.

 

Apesar de dispor de um carro mais ágil, o piloto do Lotus 7 teve de se contentar com o segundo posto. Mas durante a paragem para troca de pilotos, acabou por voltar à frente da corrida e não mais cedeu a posição. Cazalot foi o primeiro a cruzar a meta e garantiu, também, o triunfo na categoria H-GTP. Salam sentiu uma perda de eficácia no Porsche e quando faltavam seis voltas para o final não resistiu à pressão de Alexis Raoux, que assumiu o segundo lugar e ganhou entre os carros da classe H-1971. Na mesma categoria do francês, Paul Conway conseguiu o segundo lugar, depois de ter sido, ao volante do Morgan +8, o terceiro a ver a bandeira de xadrez.

 

A classificação mudou inúmeras vezes. Com quatro dezenas de carros em pista, houve discussões por posições muito interessantes. Apesar de não ter conseguido andar com as equipas que acabaram nas três primeiras posições, Koge Van der Woude aproveitou o potencial do Porsche 911 3.0 RS e o azar dos favoritos para vencer entre os H-1976. O holandês bateu Jorge Lopez, segundo, e a dupla José Maria Marti e José Luis Borges Boiria. Na categoria reservada aos modelos com motores até 1300cc, o espanhol José Alvarez Manzano destacou-se ao volante do Mini Cooper S, não só com o triunfo na classe como obtendo um impressionante 11º lugar absoluto contra carros mais potentes. O Triumph Spitfire LM de Frederic Clot e Alain Serpagne ficou com o segundo posto. Miguel Faz, foi o único piloto que representou Portugal no pódio. O português levou o Fiat 128 Coupé até ao terceiro lugar entre os 1300cc. Destaque para Vasco Nina, que foi o português melhor classificado ao terminar em 12º.

 

Na principal classificação do Historic Endurance, o Index Performance Cuervo y Sobriños, o grande vencedor desta jornada realizada em Pau foi a dupla Pablo Tarrero/Carlos Beltran com o precioso Porsche 356 Pre-A.

 

Diogo Ferrão, organizador do Iberian Historic Endurance, faz um balanço muito positivo desta jornada. “O regresso ao bonito e exigente circuito de Pau foi espectacular. O comité de seleccção escolheu um lote de clássicos muito distintos e atractivos para o público. A prova realizou-se no principal horário do fim-de-semana e isso representava uma responsabilidade acrescida. Mas correu tudo na perfeição. Foi muito bom sentir que toda a gente estava satisfeita, desde os pilotos às pessoas que vieram ver a competição”, afirmou.

 

As atenções viram-se, agora, para o Carlos Gaspar Trophy, no Circuito Vasco Sameiro, em Braga, já no próximo fim-de-semana.

 

Scroll To Top