Domingo , Outubro 21 2018
ÚLTIMAS
Home / TODO-O-TERRENO / Indisposição do piloto leva am Racing TEam ao abandono
Indisposição do piloto leva am Racing TEam ao abandono

Indisposição do piloto leva am Racing TEam ao abandono

Os pilotos do am Racing Team – Alexandre Mota e Aníbal Mendonça – não concluíram a Baja TT Idanha 2016, pois foi impossível continuar mais tempo dentro do Nissan Patrol, que apresentava um intenso cheiro a gasolina no habitáculo, provocando náuseas ao piloto e navegador, condicionando obviamente o seu desempenho em termos físicos e retirando-lhes a concentração necessária para se manterem em prova em segurança.

“Apesar do intenso calor e do pó que apanhámos durante toda a primeira etapa, a paragem a meio do dia permitiu que me recompusesse de forma a conseguir encarar os quase 200 quilómetros do segundo setor, com ambições de subir bastantes lugares na classificação. O carro é lento a responder, muito pesado e pouco potente, mas resistiu sem problemas a todas as ratoeiras de um percurso que estava a ficar mais duro a cada quilómetro que passava. Entrámos com tudo para o segundo setor e nos primeiros 40 / 50 quilómetros andámos muito bem e recuperámos para uma posição que já nos colocava entre os 15 primeiros, mas nessa altura já sentia muitas dificuldades em respirar, pois dentro do habitáculo sentia-se um intenso cheiro a gasolina, que aliado ao muito calor e ao pó, me deitou abaixo fisicamente.

Ainda tentámos parar e recomeçar por diversas vezes, mas chegou a uma altura que era mesmo impossível continuar, pelo que resolvi parar, numa altura em que o ar já era irrespirável, provocando-me imensa tosse e a natural desconcentração na condução. Por isso resolvemos parar e regressar à assistência com o carro intacto e com a mesma competitividade com que começou a prova.”

A equipa regressou à zona de assistência pelo asfalto e o piloto não deixou de referir a fiabilidade do Nissan Patrol GR, que não deu problemas durante a prova, apesar de admitir que se trata de um veículo já de uma “geração” anterior, bastante pesado e muito menos competitivos que o Nissan Proto que utilizou desde o início da época.”

 

Scroll To Top