Terça-feira , Agosto 21 2018
ÚLTIMAS
Home / TODO-O-TERRENO / João Ramos e Victor Jesus perderam na secretaria depois de terem dominado por completo a Baja TT Idanha-a-Nova.
João Ramos e Victor Jesus perderam na secretaria depois de terem dominado por completo a Baja TT Idanha-a-Nova.

João Ramos e Victor Jesus perderam na secretaria depois de terem dominado por completo a Baja TT Idanha-a-Nova.

 

 

Numa Baja extremamente disputada pelos lugares cimeiros e apesar de João Ramos e Victor Jesus na Toyota Hilux terem sido os mais rápidos no prólogo e nos 356 km dos setores seletivos, uma dualidade de critérios na aplicabilidade do regulamento das Prescrições Específicas de Todo-o-Terreno 2015, levaram uma penalização de 2 horas, tendo sido retirado a vitória à dupla.

 

“Foi uma prova dura, em que estivemos sempre ao ataque e assim conseguimos vencer no terreno, contudo a penalização deitou por terra todo o trabalho da equipa.

Venho manifestar a minha estranheza e desagrado pela dualidade de critérios aplicada pelos comissários do posto de controlo de entrada na ZA após a 1ª SS no Sábado dia 12 de Setembro de 2015, no decorrer da última edição da Baja TT Idanha-a-Nova organizada pela Escuderia de Castelo Branco.

Passo a descrever o sucedido:

Ao aproximarmo-nos do posto de controlo e apesar de circularmos a velocidade reduzida, não conseguimos parar na delimitação do referido espaço, pois vínhamos com problemas de travões (problema esse que já estávamos a sentir nos quilómetros finais da especial, obrigando a bombear várias vezes para estes atuarem) e o carro só se imobilizou unsescassos metros a seguir à placa de final de zona de controlo, ficando mesmo assim, à vista dos controladores. É ainda de salientar, que a zona é a descer, o que por sua vez não ajudou.

 

Assim, o Victor saiu do carro e dirigiu-se à mesa dos controladores aos quais explicou o sucedido e estes atribuíram-nos o nosso tempo correto de passagem na carta, assim como no cronómetro de fita, 12h 31m.

 

Após cerca de 4 horas de assistência e reagrupamento, partimos para o segundo setor.

No final do dia, após o final da prova, à entrada do último controlo o Diretor de Prova dirigiu-se ao Victor, mostrando um relatório dos referidos comissários de posto, em como não tínhamos cumprido os procedimentos normais de controlo e que nas suas funções de direção teria comunicado ao CCD e seria obrigado a atribuir-nos uma penalização de 2 horas.

 

Conforme as Prescrições Específicas de Todo-o-Terreno 2015, relativamente à carta e procedimentos de controlo:

 

“Art.º 14.3 – A sua apresentação, nos diferentes controlos e a exatidão do que nela é escrito é da inteira responsabilidade da equipa. Só os controladores serão autorizados a inscrever a hora na carta de controlo, manualmente ou por meio de um aparelho impressor.”

 

A hora foi inscrita na carta pelos comissários, assim como, a do cronómetro de fita, o que remete para a aceitação por parte dos mesmos, quanto ao cumprimento do art.º16.1

 

“Art.º 16.1 – Nos CHC, os controladores indicarão na carta de controlo, a hora de apresentação, a qual corresponderá ao momento exato em que um dos membros da equipa lha entregar. A marcação da carta de controlo só será efetuada, se os membros da equipa bem como o veículo se encontrarem junto do posto de controlo.”

 

– Pelo que, após a marcação da mesma, confirma-se a aplicação deste art.º16.1, deixando de ser aplicável o art.º 14.4

 

“Art.º 14.4 – As equipas são obrigadas a fazer controlar a sua passagem, em todos os pontos mencionados na sua carta de controlo e pela ordem por que estão numerados. A falta de um visto ou a não apresentação da carta de controlo num qualquer posto, desde que a equipa tenha passado nessa zona de controlo, resultará na aplicação de uma penalidade de 2 horas….”

 

– Como tal, reforço que relativamente ao Art.º 14.4, tínhamos o registo da hora correta de passagem na carta de controlo inscrita pelo comissário do posto, bem como o registo no relógio da mesa de controlo, como tal não temos falta de nenhum visto, logo não se aplica a penalização de 2 horas.

 

Assim, bem sei que poderíamos e deveríamos ter reclamado da decisão e só não o fizemos em tempo útil, pois após o stress, o desgaste físico e psicológico natural de uma prova desta natureza, tal como, a hora tardia em que a prova terminou e nos foi comunicada esta decisão, apanhou-nos totalmente de surpresa, deixando-nos completamente desfeitos e transtornados psicologicamente, não nos permitindo ter a lucidez mental suficiente para o fazer.

Agora, pensando “mais a frio”, não posso deixar de manifestar estranheza e desagrado, pela dualidade de critérios manifestada por parte dos referidos comissários, tal como, a posterior aceitação por parte do CCD implicando a penalização de duas horas, que, acabam por colidir com o regulamento aplicável.”, Rematou João Ramos.

 

A última prova do Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno 2015 vai-se realizar nos próximos dias 22 a 24 de Outubro, com a célebre Baja Portalegre 500, prova que integra a Taça do Mundo de Todo-o-Terreno.

 

Scroll To Top