Domingo , Novembro 19 2017
ÚLTIMAS
Home / MOTOS / Mário Patrão lidera equipa KTM Portugal no Dakar
Mário Patrão lidera equipa KTM Portugal no Dakar

Mário Patrão lidera equipa KTM Portugal no Dakar

Na conferência de rescaldo do Dakar 2016, Patrão foi surpreendido com o convite para 2017

O piloto português Mário Patrão vai participar na edição de 2017 do Rali Dakar como chefe de fila da equipa KTM Portugal, passando assim a contar com uma estrutura profissional , que lhe permitirá ambicionar voos mais altos, depois de ter sido 13.º classificado da geral das motos e vencedor da categoria Maratona na prova deste ano.

Na conferência de imprensa sobre a sua participação no Dakar 2016, realizada esta quarta-feira na sede do Credito Agrícola, principal patrocinador do piloto, em Lisboa, Mário Patrão foi surpreendido pela KTM Portugal, que, além de apresentar publicamente rasgados elogios à prestação do “motard” de Seia na edição deste ano do rali, anunciou ter já planificada uma equipa de fábrica, na qual Patrão será a “estrela” maior.

Esta nova estrutura lusa, planeada para os próximos três anos, contará ainda com quatro pilotos, um dos quais será o “mochileiro” de Mário Patrão, uma equipa de mecânicos, um camião de assistência e carros de apoio, oferecendo assim as condições de que o senense não dispunha para enfrentar a mítica maratona de todo-o-terreno.

Além do apoio a Patrão, que é uma forma de reconhecimento pelo seu trabalho e sucesso enquanto piloto privado no Dakar, a nova equipa com o apoio da marca austríaca poderá servir de rampa de lançamento para outros jovens pilotos lusitanos.

Confrontado com este inesperado desafio, que acarreta novas e maiores responsabilidades, Mário Patrão assumiu estar “muito contente” com o projecto e mostrou muita vontade de trabalhar, demonstrando, desde logo, ambição para lutar pelo melhor resultado possível no Dakar 2017.

“Com condições melhores, vamos estar melhores e andar mais na frente”, frisou o piloto de Seia, que teve também a confirmação de que poderá contar com o apoio do Crédito Agrícola, dando continuidade à ligação que dura desde 2006. “Vamos à luta!”, concluiu.

 

Nova moto e maior experiência foram aliadas em 2016

Antes ainda de ficar a par da proposta para a próxima edição da prova, Mário Patrão abordou a sua participação no Rali Dakar 2016, disputado na Argentina e na Bolívia, tendo feito um balanço claramente positivo, numa prova em que foi 13.º posicionado da tabela geral e primeiro da classificação da classe Maratona, na qual não é permitido modificar os elementos originais da moto ao longo do evento.

Questionado pelo LusoMotores sobre quais teriam sido os principais factores para alcançar o seu melhor resultado de sempre no Dakar, Mário Patrão apontou como “mais-valias” a sua nova KTM 450 Rally, que lhe mostrou muita fiabilidade na primeira semana e o deixou confiante para atacar mais na segunda, e destacou também a maior experiência neste rali, adquiridas nas três anteriores participações, que lhe permitiu gerir melhor diversas situações, como, por exemplo, a leitura do “road book”.

Apesar de ter admitido que, em sua opinião, tinha “moto para mais”, Patrão referiu que optou por começar “passo a passo”, “sem exageros”, e só posteriormente, já com total confiança na prestação da sua nova máquina, que levou alguns ajustes antes da prova, aumentou o ritmo e alcançou um resultado final que o deixou “contente”.

 

Numa prova tão dura como este Rali Dakar, Mário Patrão falou também das diferenças entre os pilotos oficiais das equipas de fábrica e os privados, com condições muito díspares e que acabam por condicionar parcialmente a abordagem à competição. “Ao contrário dos pilotos oficiais, não temos luxos: temos uma tenda e um mecânico contratado conhecido. […] No Dakar, sei as condições que tenho, sei as limitações e o que posso fazer”, sublinhou.

Curiosamente, ele próprio acabou por ajudar um piloto oficial, mais concretamente o compatriota Paulo Gonçalves (Honda). “Ele pediu-me ajuda para trocar o motor. Desmontámos a moto de um colega dele e ajudei-o a montar a dele, de maneira a evitar que levasse 15 minutos de penalização”, contou o piloto de Seia, quando questionado sobre o seu desportivismo nesse episódio.

Como maior dificuldade, Patrão apontou o facto de não conseguir descansar devidamente, confessando que chegou a adormecer na moto, por dormir em média três horas, uma vez que à noite dedicava muito tempo às notas do “road book”, pois tem consciência da sua importância e das graves consequências que poderão advir de falhar uma simples indicação.

O evento organizado na sede do seu principal patrocinador, com o intituito de distinguir a sua excelente prestação em terras sul-americanas, culminou com uma sessão de autógrafos aberta a fãs do piloto, tendo sido muitos os elogios e palavras de apoio dados a Mário Patrão, que retribuiu com muita simpatia e disponibilidade.

Texto e fotos: Sérgio Mendonça (Lusomotores)

 

Scroll To Top