Segunda-feira , Outubro 23 2017
ÚLTIMAS
Home / RALI / MEEKE, BREEN E MIKKELSEN NO ASSALTO À SARDENHA
MEEKE, BREEN E MIKKELSEN NO ASSALTO À SARDENHA

MEEKE, BREEN E MIKKELSEN NO ASSALTO À SARDENHA

Transpondo a metade inicial da temporada do Campeonato do Mundo FIA de Ralis 2017, a Citroën Total Abu Dhabi WRT faz alinhar um efectivo inédito na sua próxima prova, o Rali de Itália(Sardenha.
Os três Citroën C3 WRC oficiais serão confiados a Kris Meeke / Paul Nagle, Craig Breen / Scott Martin e Andreas Mikkelsen / Anders Jæger.

 

Depois da Argentina e de Portugal, o WRC visita outro país que dedica um culto muito especial aos ralis. Desde a criação do Campeonato do Mundo que a Itália marca o seu lugar na história da modalidade, através dos seus pilotos e construtores. No calendário, o mítico Rali Sanremo deu lugar, em 2004, ao Rali de Itália/Sardenha, ano em que os concorrentes descobriram um terreno de jogo muito diferente do da riviera italiana.

São terrivelmente exigentes as especiais desta ilha do Mediterrâneo, para homens e máquinas, como para os pneus. Muitas vezes estreitas e sinuosas, as estradas de terra são bordejadas por uma densa vegetação, que mascara grandes pedras que se devem evitar. Cobertas com uma espessa camada de areia e poeira, a ordem de partida é fundamental nas primeiras passagens das especiais, um desafio que é significativamente diferente na segunda volta, em que os pilotos passam a lidar com os trilhos feitos durante a primeira, bem como pelas pedras que podem passar a estar em quase todo o lado. Sabendo que o mercúrio deverá rondar os 30°C no fim de semana, é compreensível que as equipas tenham algum receio deste 7º evento da temporada.

O rali começa na quinta-feira (dia 8 de junho) com a partida de Alghero e um Super Especial de 2 km, seguindo-se uma travessia da ilha de oeste para leste, parando os carros em Olbia durante a noite. Na sexta-feira têm lugar as terríveis especiasi de Terranova e de Monte Olia, para no sábado ser o dia mais denso, com os longos setores de Monti di Ala’ e Monte Lerno. É esta última que conta com o famoso Micky’s Jump, ponto de encontro obrigatório dos tifosi! Disputado sem assistência, o domingo resume-se a um sprint de quatro curtas especiais, fechando com a tradicional Power Stage.

 CITROËN E MIKKELSEN PROVOCAM MEXIDAS

São três os C3 WRC inscritos pela Citroën Total Abu Dhabi WRT para a prova italiana. Tendo em conta a sua posição no ranking de Pilotos e Navegadores do Campeonato do Mundo, Craig Breen e Scott Martin serão a primeira formação da equipa na estrada. Atualmente 7ºs classificados, com 43 pontos, o duo britânico-irlandês demonstrou uma perfeita regularidade por terminando no 5º posto os ralis de Monte-Carlo, Suécia, Córsega e Portugal. Na Sardenha, Breen terá, novamente, que se contentar com um conhecimento muito limitado do terreno, pelo que neste contexto, um novo lugar no top 5 seria bastante satisfatório.

Nonos classifiados, com 27 pontos, Kris Meeke e Paul Nagle garantiram muito do seu pecúlio com a vitória no Rali do México. No decurso de uma temporada irregular, a dupla do Citroën C3 WRC visa fazer um rali impecável de modo a garantir um resultado convincente. A performance está lá, como tem sido evidenciado pelos melhores tempos feitos ao longo dos últimos quatro ralis, pelo que tudo o que há a fazer é concretizá-la.

Formalizada no rescaldo do Rali de Portugal, a chegada à equipa de Andreas Mikkelsen e Anders Jaeger é o tema forte dos dias que antecedem o início da prova italiana. Apesar de sua falta experiência na condução do C3 WRC, o piloto norueguês pode contar com a sua experiência no evento e com a excelente ordem de partida para o primeiro dia. Tendo terminado no top 10 no Rali de Monte-Carlo e na Volta à Córsega com um carro da categoria WRC2, Mikkelsen ocupa o 11º lugar no Campeonato do Mundo de Pilotos. Se é difícil prever a posição do C3 WRC n ° 9 no seio da hierarquia, é certo que os novos recrutas da Citroën Racing comtam com doses massivas de motivação.

 


 

O QUE ELES DISSERAM…

YVES MATTON, DIRETOR DA CITROËN RACING: “Mantemos os objetivos que definimos para este rali, tendo pedido às nossas equipas para colocarem dois carros no top 5. Naturalmente que a inscrição do Andreas Mikkelsen para este evento criou muita excitação e expectativa. Após um único dia de testes é impossível conhecer na perfeição o C3 WRC, pelo que poderá conduzir livremente, de acordo com o que sentir e ajustar o andamento ao seu ritmo. A sua posição na estrada, na primeira fase do rali, será muito interessante, mas neste caso não será caso único, pois o Kris Meeke também terá uma boa cartada para jogar.”

 

LAURENT FREGOSI, DIRETOR TÉCNICO: “Devido ao calor, à velocidade média relativamente baixa e à dureza das especiais, sabemos que o Rali da Sardenha será um dos ralis mais exigentes da temporada para os carros. O menor desvio da direção paga-se normalmente muito caro, havendo muitas pedras na borda das estradas da Sardenha! Desde Portugal que não testámos, mas passámos uma semana na região de Olbia, no início de maio, pelo que estamos confiantes no potencial do C3 WRC neste piso. A análise dos dados recolhidos em Portugal confirmou que estamos no caminho certo.”

 

KRIS MEEKE: “Claro que vimos de duas provas difíceis na Argentina e Portugal. Estamos muito focados para regressar à espiral positiva que nos permitiu ganhar no México e, em seguida, discutir a vitória na Volta à Córsega, antes do problema técnico que nos afetou. Como não estivemos na Sardenha no ano passado, este é um rali que iremos reencontrar. Técnicas e escorregadias, as especiais exigem muita precisão, especialmente quando a estrada é estreita. Não será fácil obter uma experiência de puro prazer de condução neste tipo de terreno, mas vamos trabalhar para fazer um bom rali. Acredito que a chegada do Andreas à equipa é algo de muito bom. A sua experiência será valiosa e ele tem o potencial para ganhar ralis. Vamos trabalhar em conjunto para levar a Citroën às vitórias.”

Nº de participações na prova: 5;

Melhor resultado: 16º lugar (2004)

 

CRAIG BREEN: “Tal como na Argentina e em Portugal, vamos descobrir quase tudo sobre este rali. Fiz os reconhecimentos em 2016 e testámos na Sardenha há algumas semanas, mas ainda é pouco comparado aos pilotos que há anos disputam esta prova. Para compensar, preparei-me dando grande atenção aos detalhes, recorrendo, por exemplo, à visualização das câmaras de bordo para identificar as principais armadilhas. Após uma série de 5ºs lugares, ficaria feliz em obter o mesmo resultado na Sardenha, antes de abordar eventos que me são mais familiares como a Polónia ou a Finlândia. Dou as boas-vindas ao Andreas, piloto que ainda conheço relativamente pouco, mas com quem estou ansioso por trabalhar.”

Nº de participações na prova: 1

 


 

ANDREAS MIKKELSEN: “Estes últimos dias foram emocionantes, com a descoberta das instalações da Citroën Racing, a reunião com os membros da equipa e, claro, a condução do carro no sul de França. O carro de testes era muito diferente do que iremos ver na Sardenha, mas isso deu-me boas indicações quanto ao potencial do Citroën C3 WRC. Com apoio aerodinâmico e a potência do motor, as sensações ao volante são impressionantes. Começamos a trabalhar nas afinações de acordo com o meu estilo de condução. Quanto ao próximo fim de semana, não tenho ideia do nível em que iremos estar. Sei que tenho uma boa ordem de partida, no primeiro dia, mas o nível atual do WRC é tão elevado que devemos manter a humildade. Vamos fazer o nosso melhor neste terreno difícil.”

Nº de participações na prova:6;

Melhor resultado: – 4º (2014)

 

Scroll To Top