Quinta-feira , Julho 19 2018
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Os vencedores de Domingo do Campeonato de Portugal de Clássicos no Estoril
Os vencedores de Domingo do Campeonato de Portugal de Clássicos no Estoril

Os vencedores de Domingo do Campeonato de Portugal de Clássicos no Estoril

Carlos Vieira venceu a segunda corrida do CPV Clássicos confirmando os bons indicadores deixados na véspera desta jornada inaugural do Racing Weekend 2018, disputada este fim de semana no Circuito do Estoril.

Bruno Pires levou a melhor nos Clássicos 1300 enquanto Nuno Figueiredo levou a Volvo 850 T5 Estate ao primeiro lugar dos Legends.

Campeonato de Portugal de Velocidade Clássicos (CPVC)

Vieira e Silva brilham em tarde cinzenta

Na categoria do H75, Carlos Vieira em Ford Escort RS1600 e João Macedo e Silva, no Porsche 911 RSR protagonizaram uma luta que arrancou palmas nas bancadas do Estoril.

No final, Carlos Vieira foi o primeiro a ver a bandeira xadrez, seguido por Macedo e Silva, mas dentro do mesmo segundo.

O Porsche arrancou melhor, mas na primeira travagem no final da reta Vieira assumiu a liderança, pouco depois Macedo e Silva voltou a reclamar o comando e foi assim de início a fim,  uma constante troca de posições.

Bem esteve também Rui Alves, em Escort RS1600, que partiu do final da grelha e teve que fazer uma corrida de trás para a frente. Contudo, segunda passagem pela meta já tinha assegurado a terceira posição, fechando o pódio do H75.

Nos H71/Taça 1600, Filipe Matias em Lotus Elan comandou de início a fim, deixando o segundo posto para Joaquim Soares, também com um Lotus Elan, mas já com uma diferença considerável.

Rómulo Mineiro triunfou entre os Grupo 5, numa corrida pautada pela regularidade e foi quinto na tabela. O segundo posto deste grupo ficou reservado para Bernardino Silva, também em Ford Escort RS 2000.

Ricardo Rajani, partiu de trás, mas venceu nos H81 e levou o BMW 535i ao oitavo posto da geral.

No Grupo 5/1600 Luís Carlos voltou a impor-se com o Ford Anglia.

João Cruz (BMW 323i E21) liderou o Grupo 1/3, enquanto Paulo Lima conquistou a vitória nos H71 com o Alfa Romeo 1750GTA

Dizem os Vencedores

Carlos Vieira

“Correu bem, hoje conseguimos estar sempre mais perto do João. O tempo estava um bocado mais fresco, os nossos pneus não sofreram tanto e conseguimos manter o ritmo. Acabamos por nunca ter velocidade para ele, eu estava sempre à espera de um erro. Depois começou a chover, complicou um bocadinho para os dois mas depois encontrei umas linhas para fazer uma boa velocidade em curva e deu atacar na última curva e conseguimos ganhar, estamos muito contentes!”

Campeonato de Portugal de Velocidade Clássicos 1300

Pires conquista o pódio 

A vitória na segunda corrida do fim-de-semana dos 1300 ficou reservada para Bruno Pires, que ainda levou o Datsun 1200(H71) ao décimo posto da geral e que segundo o mesmo tirou alguma vantagem do ligeiro aguaçeiro que “caiu” a meio da corrida.

Carlos Cruz, também em Datsun 1200 foi segundo seguido de perto do Morris MINI 1275 GT de Filipe Nogueira.

Luís Alegria foi uma das baixas de peso neste pelotão, não chegando a alinhar devido aos problemas mecânicos sentido na corrida de ontem. O mesmo destino teve Carlos Santos, vencedor da corrida disputada ontem que cedo ficou pelo caminho.

O Datsun 120Y de Fernando Charais, reservou a melhor posição entre os H75.

Dizem os Vencedores

Bruno Pires

“Esta prova correu bem, foi uma prova muito interessante. A chuva no meu caso veio me ajudar bastante, senti-me sempre bem a conduzir à chuva, independentemente de ter pneus slik, gosto muito de conduzir. A pista estava molhada, estava perigosa, portanto, com as cautelas necessárias consegui fazer uma boa prova e ganhar.

O arranque também foi muito importante, posicionei-me bem na trajetória que pretendia e depois geri. O carro estava equilibrado, estava competitivo, aguentou e agora têm de vir mais!”

Campeonato de Portugal de Velocidade Legends

Dizem os Vencedores

Nuno Figueiredo

“Esta prova foi muito boa, aproveitei a grande vantagem da Volvo no arranque para passar logo para a frente no final da reta. Depois foi forçar sempre nos primeiras voltas, mantive alguma distancia para o segundo classificado. Durante a metade da prova fui conseguindo gerir a distancia e no final já estava a ser alvo de alguma pressão do segundo classificado e tive de forçar mais um pouco, foi mesmo até ao final a 110% mas felizmente consegui chegar ao final sem problemas e com vitória, que é o mais importante.”

 

Scroll To Top