Segunda-feira , Setembro 24 2018
ÚLTIMAS
Home / MOTOS / Paulo Gonçalves foi 4.º na décima etapa do Dakar
Paulo Gonçalves foi 4.º na décima etapa do Dakar

Paulo Gonçalves foi 4.º na décima etapa do Dakar

 

Piloto português mantém-se em prova depois dos contratempos na nona etapa do Dakar 2016 que o colocaram praticamente de fora.

Paulo Gonçalves permanece na luta pelo Dakar 2016, “salvando-se” dos contratempos que quase o afastaram da prova, esta terça-feira, na nona de treze etapas. O piloto português da Honda consegui minimizar os estragos na CRF 450 Rally durante a noite da etapa maratona e hoje, na décima etapa, foi para a estrada conseguindo o quarto melhor tempo à chegada a La Rioja.

Disputou-se hoje mais uma das difíceis etapas do Dakar 2016, em fecho da segunda etapa maratona que trouxe mais dificuldades à corrida, com a caravana a atravessar as exigentes dunas de Fiambalá num total 278 quilómetros cronometrados. Depois do 12.º lugar atribuído a Paulo Gonçalves na etapa anterior, o “Speedy” partiu hoje para a estrada 1h31min mais tarde que o líder Toby Price, mas no final da tirada, que uma vez mais acabaria encurtada devido às condições climatéricas, alcançou o 4.º lugar a 6min01s do vencedor, Stefan Svikto. Na classificação geral Gonçalves ocupava o terceiro lugar com mais 34min16s que o líder Toby Price, mas vê acrescida uma penalização de 39min56s, alegadamente devido a novas decisões da organização face à situação da etapa anterior, que o relega para o 8.º lugar.

A décima primeira e antepenúltima etapa do Dakar 2016 leva a caravana de La Rioja a San Juan em mais um exigente desafio de dunas e temperaturas elevadas. Um total de 712 quilómetros, 431 dos quais cronometrados, iniciam a reta final da presente edição da maior prova de Todo-o-Terreno do mundo.

Paulo Gonçalves: “Depois dos problemas que tive ontem, hoje foi um dia bastante difícil, uma etapa cem por cento de pistas arenosas e dunas. Em termos de navegação não foi complicado porque tinha as marcas dos outros carros e das motos, mas foi extremamente difícil porque tinha na frente camiões e os rodados dos camiões faziam com que a areia ficasse muito macia e foi muito difícil andar. Rodei a um ritmo lento, perdi algum tempo, mas estou satisfeito por poder continuar em prova.”

 

Scroll To Top