Terça-feira , Outubro 16 2018
ÚLTIMAS
Home / MOTOS / Paulo Gonçalves sobe a 2.º da geral e é aposta lusa à vitória no Dakar 2015
Paulo Gonçalves sobe a 2.º da geral e é aposta lusa à vitória no Dakar 2015

Paulo Gonçalves sobe a 2.º da geral e é aposta lusa à vitória no Dakar 2015

 

Piloto português foi o 15.º mais rápido numa das mais duras etapas do Rali Dakar disputada sobre o gigante Salar de Uyuni, na Bolívia

Paulo Gonçalves retomou hoje ao segundo lugar da classificação geral do Dakar 2015, depois de cumprir aquela que foi a oitava etapa da prova, uma das mais difíceis de todas as edições, com o décimo quinto melhor tempo. O piloto português mantem-se na luta pela vitória na prova, estando em condições de poder levar a equipa oficial Honda de regresso às vitórias na competição.

A oitava etapa da 37.ª edição do Rali Dakar disputou-se entre Uyuni, na Bolívia, e Iquique, no Chile, com a caravana a iniciar no Salar de Uyuni um dia que ascendeu a um total aproximado a 800 quilómetros, dos quais 510 foram cronometrados e cerca de 270 de neutralização. Paulo Gonçalves gastou mais 12min17s que o vencedor, estando agora a 9min11s da liderança da prova.

“Choveu torrencialmente a noite toda, o salar estava completamente cheio de água, inundado, era um salar com 135 quilómetros. A maioria dos pilotos não queriam correr, por condições de segurança, não se via a mais de 100 metros, tínhamos uma altura de água no salar com cerca de 10 a 15 centímetros e andávamos a uma velocidade de cerca de 170 km/h. Muitos pilotos tiveram problemas, eu tive problemas, a minha mota parou no salar e durante a ‘especial’ mas felizmente consegui chegar ao final, houve pilotos que não conseguiram chegar e alguns deles foram evacuados para o hospital com hipotermia. É uma pena que seja assim, para se fazer a vontade a alguns se ponha a segurança dos pilotos de parte. Amanhã é outro dia, estamos aqui e este Dakar é para terminar”, esclareceu Paulo “Speedy” Gonçalves no regresso a Iquique, no Chile.

A nona etapa do Dakar 2015 liga Iquique a Calama, no regresso às dunas do Atacama. A “especial” cronometrada terá um total de 451 quilómetros.

 

Scroll To Top