Quarta-feira , Dezembro 13 2017
ÚLTIMAS
Home / RALI / Ricardo Matos realizou boa prova apesar da desistência quase no final
Ricardo Matos realizou boa prova apesar da desistência quase no final

Ricardo Matos realizou boa prova apesar da desistência quase no final

 

 

Ao volante do Mitsubishi Lancer Evo IX com o qual só tinha disputado o último Rali de Amarante / Baião, Ricardo Matos foi uma das sensações do Rali Serras de Fafe, prova inaugural da Taça Nacional de Ralis de Terra. Piloto amarantino foi obrigado a abandonar quando tinha o pódio à vista.

 

Ricardo Matos e o navegador Carlos Matos entraram muito fortes no Rali Serras de Fafe, superando inclusive as suas próprias expectativas. Conscientes de que tinham poucos quilómetros competitivos ao volante do Lancer Evo IX, a dupla de Amarante apostava sobretudo em terminar a ronda minhota, tentando acumular experiência com o carro japonês e ganhar o necessário ritmo competitivo. Contudo, Ricardo Matos foi imediatamente o mais rápido no primeiro troço da prova, os 8,6 quilómetros da especial de Montim, ganhando 17 segundos ao tricampeão nacional absoluto Fernando Peres. O piloto de Amarante manteve-se na liderança da prova até à PEC4, sendo prejudicado pelo facto de partir atrás de um carro de duas rodas motrizes, que apanhou em pleno percurso por duas vezes.

Ainda assim, Ricardo Matos estava satisfeito com o 2º lugar que ocupava no início do derradeiro dia de prova. Contudo, o troço de Luílhas (PEC8) seria traiçoeiro para Ricardo Matos, que não conseguiu evitar um ligeiro pião que deixou o Mitsubishi apoiado num talude, sem qualquer hipótese de retomar a especial, apesar de quase não ter sofrido danos mecânicos. Um final inglório para Ricardo Matos e Carlos Matos, que demonstraram capacidade para lutar pelos primeiros lugares nos emblemáticos troços de terra da região de Fafe.

 

“Acabou por ser uma experiência positiva”, referiu no final Ricardo Matos. “No primeiro troço, em Montim, procurei guiar ‘limpo’, a pensar no relógio, mas sem nunca imaginar que iria ganhar 17s ao Fernando Peres. Nas especiais seguintes percebi que era possível andar naquele ritmo mas a organização colocou um carro de duas rodas motrizes a partir à minha frente e apanhámos esse concorrente em duas especiais. Para domingo, tinha planeado não arriscar nada porque queria sobretudo chegar ao final e aprender o máximo possível com o Fernando, um piloto que eu admiro desde miúdo. Numa ‘esquerda 2’, com os trilhos já muito definidos, vi uma pedra no interior e tentei passar ao lado para não estragar nada. Quando abri a direção e voltei a fechar, o carro fugiu para uma ravina e ficou apoiado num talude, praticamente sem qualquer dano. Simplesmente ficou naquela posição e não conseguíamos sair dali. Claro que foi frustrante porque podíamos perfeitamente ter começado a época com um bom resultado. Mas confesso que foi muito especial discutir troços com um piloto cujo palmarés e experiência falam por si. Além disso, foi um prazer passar com um carro destes em locais com tanto significado nos ralis em Portugal. Agora resta-nos continuar a testar e evoluir para o próximo rali. Quero deixar aqui uma palavra de agradecimento a todos os nossos patrocinadores e amigos”, concluiu Ricardo Matos.

 

A segunda prova da Taça Nacional de Ralis de Terra será disputada em Gondomar, nos próximos dias 17 e 18 de Março.

 

Nuno Dinis

 

Scroll To Top