Terça-feira , Abril 24 2018
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Rui Ramalho (Juno SSE) vence a Rampa de Santa Marta e reforça a liderança no Campeonato.
Rui Ramalho (Juno SSE) vence a Rampa de Santa Marta e reforça a liderança no Campeonato.

Rui Ramalho (Juno SSE) vence a Rampa de Santa Marta e reforça a liderança no Campeonato.

 

Santa Marta de Penaguião recebeu a terceira jornada do Cameponato Nacional de Montanha, uma prova muito quente, quer dentro quer fora da pista, disputada até ao último metro e com organização do Clube Automóvel da Régua.

Geral e Categoria 1

Foi uma discussão até “ao lavar dos cestos”, em que Rui Ramalho (Juno SSE) levou a melhor nas contas finais. Na terceira subida, pela primeira vez, não realizou o melhor tempo, mas a cedência de três décimas para o seu principal adversário, João Fonseca (Norma M20FC) foi  uma espécie de perda controlada, pois os tempos das duas primeiras subidas deram-lhe a vitória.

João Fonseca teve que se contentar com o facto de ter o único a conseguir vencer uma subida a Rui Ramalho e teve, nas contas finais, o segundo posto a 2,937s.

Tiago Reis (Ford Fiesta RS) foi o terceiro na classificação geral, com o tempo 3m 51,125s. Em termos de Categoria 3, foi um vencedor absoluto.

António Nogueira (Porsche GT2), na Categoria 2, teve um desempenho semelhante ao de Reis. Aliás a “luta” Reis e Nogueira foi um dos principais focos de atenção da prova.

Paulo Ramalho (Juno CM09) não terminou a terceira subida, o motor partiu e a prova terminava antes de cortar a meta. Restava o terceiro posto na Categoria 1, quinto à geral.

Mais azar ainda teve Nuno Guimarães, que pela segunda vez teve que desistir com problemas na corrente de transmissão do BRC  CM02. Com duas desistências o piloto da Régua ficava fora da classificação de uma vitória quase certa entre os CN.

Categoria 2

António Nogueira dominou a Categoria 2  e deixou o principal adversário, Manuel Correia (Skoda Fabia S2000) a onze segundos em termos de tempo acumulado. Se é certo que a distancia entre o primeiro e o segundo foi grande, é também certo que o segundo posto e seguintes foram “arrancados a ferros”.

Manuel Correia conseguiu ganhar mis um segundo a Edgar Reis (Porsche 997 GT3) e dessa forma consolidou a segunda posição por 1,3 segundos. O homem da Transfradelos, por sua vez, também tinha vida difícil, Joaquim Teixeira (Porsche 997 GT4) andava por perto e feitas as contas finais, faltaram-lhe 0,8s para ficar um pouco mais à frente.

Joana Barbosa (Abarth 500) encerrava a classificação da categoria e vencia a classificação das senhoras.

Para encerrar, uma nota de azar familiar. Já vimos que Nuno Guimarães teve que desistir, o seu irmão João nem sequer chegou a fazer uma única subida de prova, depois de ver o motor do Peugeot 206 RC partir, ainda nos treinos de Sábado.

Categoria 3

Já vimos que Tiago Reis dominou a Categoria e chegou ao pódium na geral. Mas também já vimos que mais para baixo na classificação estava tudo a negociar milésimas para chegar um pouco mais à frente.

Manuel Pereira (Mitsubishi Lancer EVO VI) foi segundo na categoria, no tempo acumulado perdeu 11,5s para Reis, mas conseguiu ganhar tempo a Luís Nunes (Seat Leon), que entretanto ficou com menos pressão, quando de uma assentada perdeu dois concorrentes.

Em três curvas ficaram dois carros da mesma equipa. Ricardo Gomes (Seat Leon) deu um toque e ficou com a direcção aberta, encostou um pouco mais à frente. Logo de seguida chegou José Correia (Seat Leon) que falhava a travagem, tocava o morro e terminava de rodas para o ar. Os tempos até aí realizados colocam Correia no quarto posto, à frente do companheiro de equipa e de Francisco Marrão (Seat Leon).

 

Categoria 4

José Pedro Gomes (Ford Escort MKII) veio, viu e venceu na Categoria 4. Fez a terceira subida, que ganhou mais uma vez e deixou Flávio Saínhas (Ford Escort MKI) a 2,245 na subida. E com uma vantagem de 5,455s no acumulado dos dois melhores tempos.

José Pedro Figueiredo (Datsun 1200), manteve o terceiro lugar sem sobressaltos e esteve intocável na Taça Nacional de Clássicos de Montanha 1300, batendo inclusive Mário Mesquita ao volante de uma aparentemente mais competitivo Datsun 1600 SSS. Domingo Fernades, a correr quase me casa, encerrou a classificação da categoria e da taça, ao volante do pequeno Autobianchi A112 Abarth.

 

Scroll To Top