Quinta-feira , Abril 18 2019
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / André Lavadinho vai à “escola” das corridas e estreia-se como piloto ao lado do “professor” João Sousa
André Lavadinho vai à “escola” das corridas e estreia-se como piloto ao lado do “professor” João Sousa

André Lavadinho vai à “escola” das corridas e estreia-se como piloto ao lado do “professor” João Sousa

 

 

Não é todos os dias que um fotógrafo profissional tem a oportunidade de cumprir o sonho de se tornar piloto de automóveis. É isso que vai acontecer com André Lavadinho, um dos mais reconhecidos fotógrafos portugueses no mundo do desporto motorizado e que em outubro fará a sua estreia como piloto, partilhando o SEAT León com João Sousa na prova de Portimão do CNVT, integrada no fim de semana da European Le Mans Series.

 

Quem acompanha o universo do desporto automóvel em Portugal (e não só) certamente já ouviu falar do trabalho de André Lavadinho, um jovem português que construiu uma carreira à escala internacional como fotógrafo em diferentes competições de elite do automobilismo, do WRC ao Dakar, da Fórmula 1 ao Europeu de Ralis. Agora, e depois de consolidar a sua própria agência (@World), o fotógrafo natural de Guimarães vai cumprir (mais) um sonho de criança ao participar na última prova do Campeonato Nacional de Velocidade de Turismos, em Portimão, a 21 e 22 de outubro, integrado na ronda portuguesa da European Le Mans Series.

Um transição radical para alguém que nunca entrou numa corrida de automóveis, contando com a preciosa ajuda e experiência de João Sousa, o atual campeão nacional do grupo TCR2.

A dupla já realizou uma sessão de testes no Circuito Vasco Sameiro, em Braga, onde André Lavadinho pôde experimentar pela primeira vez o SEAT León Mk2 preparado pela Garagem Veiga Competição, apoiando-se nos conselhos e ensinamentos de João Sousa. Veja a entrevista aos dois futuros companheiros de equipa.

Entrevista a André Lavadinho

(Idade: 30 anos | Natural de Guimarães)

 

André, sabemos que és fascinado pelo desporto motorizado desde muito pequeno, principalmente pelos ralis. Quando é que sentiste esta vontade de, um dia, ser piloto?

 

André Lavadinho: Foi aos quatro anos, mal me sentei num kart. Nesse momento senti que queria estar ligar ao desporto motorizado para o resto da vida, de uma forma ou de outra. E acredito mesmo que o sonho comanda a vida. A prova disso é que estou prestes a concretizar mais um!

 

Como é que surgiu esta ideia / oportunidade de ser companheiro do João Sousa na prova de Portimão do TCR, integrado no fim de semana da European Le Mans Series?

 

AL: Já tinha a ideia de correr há muitos anos mas nunca tive essa oportunidade. Recentemente, o Team Manager da equipa, Valter Cardoso, meteu-me o ‘bichinho’ durante uma corrida do TCR em Braga. Depois da prova falei logo com o João e foi assim que a oportunidade surgiu. Estamos a organizar tudo da melhor forma para que a estreia corra bem.

 

Podes descrever como foi o primeiro dia de testes com a equipa e o carro?

 

AL: Foi mais um sonho realizado. Tentei mentalizar-me que era apenas a primeira experiência, para não criar demasiadas expectativas e ficar nervoso. Mal entrei no carro pensei que estava num simulador pois jogo quase todos os dias em minha casa ou na G’s Competizione.

O profissionalismo da equipa também ajudou a manter-me calmo, sem nenhuma pressão visto que, apesar de tudo, foram as minhas primeiras voltas num verdadeiro carro de competição. Obrigado também ao João pelas dicas antes e durante o teste. Vai ajudar imenso ter um piloto experiente como ele ao meu lado! 

 

O que te marcou mais na primeira experiência com o SEAT?

 

AL: Este carro sempre foi especial para mim. Tive oportunidade de fotografar a SuperCopa Leon durante muitos anos e haviam grandes momentos de corrida de que ainda hoje me lembro. O que mais me marcou em Braga foi chegar ao final da reta da meta a mais de 200km/h e reduzir para 3a e pisar o famoso limitador da primeira direita. Uma sensação única para quem sempre a viu e fotografou do lado de fora! O poder de travagem, a estabilidade e a potência do SEAT são fantásticos, tal como a sensação de segurança no habitáculo. Um dos maiores desafios será certamente a gestão dos pneus durante as corridas.

 

Portimão é uma das pistas mais espetaculares da Europa mas também uma das mais exigentes. Como encaras este desafio?

 

AL: Lembro-me que estive presente na primeira corrida que fizeram neste circuito, por isso é uma pista especial para mim. O traçado é realmente fantástico, quase como uma Montanha Russa, com desníveis e curvias cegas. De uma forma geral é, de facto, muito exigente. Gosto de desafios, caso contrário a vida não tinha piada! Espero sobretudo divertir-me e aprender muito nesta prova, até porque vou correr sem qualquer tipo de pressão. Obrigado mais uma vez a toda a equipa e aos patrocinadores que me proporcionaram esta experiência.

Entrevista a João Sousa

(Idade: 28 anos | Naturalidade: Vila Real)

 

João, como decorreu o primeiro teste em Braga e o que te pareceu o comportamento do André?

 

João Sousa: O teste não podia ter corrido melhor. O André cumpriu todos os objetivos para o dia e com nota máxima! Desde a forma como abordou a pista e o carro logo na primeira sessão, até aos tempos por volta que conseguiu nas últimas sessões, foi uma evolução excelente.

 

Quais são as principais técnicas e informações que se podem passar a alguém com tão pouca experiência como o André?

 

JS: Esse é um trabalho que me dá realmente muito gozo. Pegar em alguém que começa do zero e conseguir chegar aos objetivos definidos, quer sejam eles resultados na prova ou, como aconteceu neste caso, aos tempos por volta, que foram realmente satisfatórios. A equipa tentou pôr o André o mais à vontade possível com o carro, com os pontos fundamentais da pista, sem a mínima pressão. O resto veio naturalmente…

 

Ainda te lembras como te sentiste quando estavas na grelha para a primeira corrida da tua vida? (onde e quando foi?)

 

JS: Lembro-me como se fosse hoje. Foi nos karts, ano de 2002, no Kartódromo de Fafe. Tinha 12 anos e era um nervosismo enorme cá dentro!

 

Ainda falta quase um mês para a prova do Algarve. Que tipo de trabalho será feito até lá?

 

JS: Hoje em dia com o mundo dos simuladores tão desenvolvido podemos fazer algum trabalho em casa. A recolha de vídeos onboard do André permite-nos analisar e discutir possíveis formas de melhorar a sua performance. Vamos tentar ainda realizar novos testes para nos prepararmos melhor para o Algarve. Todos queremos que seja uma ótima estreia para o André e mais uma grande prova para a Garagem Veiga Competição.

 

Scroll To Top