Sábado , Julho 2 2022
ÚLTIMAS
Home / MONTANHA / Breves Rampa de Santa Marta III
Breves Rampa de Santa Marta III

Breves Rampa de Santa Marta III

Luís Silva vence em Santa Marta e já “cheira a título” nos Legends!

O Douro Vinhateiro foi o palco idílico da sexta vitoria da temporada do piloto do BMW M3 da Famaconcret. Autor de mais uma exibição imaculada, o “canhão de Famalicão” deu o passo decisivo rumo ao título de campeão entre os Legends, bastando-lhe agora alinhar na próxima prova, que se disputará no Caramulo.

A exibição de Luís Silva e do seu BMW M3 na 7ª edição da Rampa de Santa Marta foi exemplar quanto ao modo como o “canhão de Famalicão” tem estado na temporada: o seu domínio nas contas do Campeonato de Portugal Legends de Montanha JC Group foi exercido de fio a pavio durante o fim-de-semana, vencendo todas as subidas e registando tempos cada vez mais rápidos.

O famalicense extraiu do carro bávaro todo o seu enorme potencial, sendo de destacar que, a exemplo do que tinha acontecido na Serra da Estrela, o BMW esteve sempre a funcionar em pleno, facto que Luís Silva destaca, realçando “o trabalho magnífico que a nossa equipa técnica tem feito e que me dá toda a confiança para atacar, devolvendo-lhes a dedicação com vitórias”.

Foram mais de 22 segundos, no somatório das duas melhores subidas de prova,  o pecúlio final que separou Luís Silva do seu adversário mais próximo, com o piloto a destacar “a capacidade que tivemos em ser sempre cada vez mais rápidos, quer na comparação das subidas deste fim-de-semana, quer quando comparámos com os tempos em edições anteriores, pois, mesmo contando com o facto de a rampa este ano estar mais curta 150 metros, fomos manifestamente mais velozes do que nas edições anteriores”.

A vitória não só manteve a sua invencibilidade no Campeonato de Portugal Legends de Montanha JC Group, como também colocou Luís Silva à porta do título nacional, bastando-lhe alinhar numa subida oficial da Rampa do Caramulo para poder abrir o espumante e celebrar essa conquista.

Mas o famalicense não vai relaxar: “não vamos ao Caramulo focados em alinhar e comemorar. Obviamente que, mal façamos esse arranque que nos dará o título, viveremos um momento de grande felicidade, para mim e para toda a equipa e celebraremos durante alguns momentos. Depois, voltaremos a ficar concentrados em dar o máximo para chegar à sétima vitória da temporada. Quando alinhámos numa rampa, o alvo é só um: vencer!”.

Sendo o título uma evidência segura, Luís Silva pode ir fazendo um rescaldo desta sua temporada imaculada: “ser campeão vai ser o corolário de todo o trabalho que fizemos durante esta época e, no fundo, a consequência lógica do compromisso que assumi no início da temporada. Se formos campeões, como tudo o indica, no Caramulo, vamos dar um título nacional a este fabuloso carro, que tantas alegrias já nos deu, antes de o guardar em casa, para só o utilizar no futuro em alguns eventos especiais”, abrindo ainda o véu sobre “a possibilidade de, ainda este ano, competir com um novo carro, preparando 2023”.

Rita Matos ultrapassa com distinção estreia em Santa Marta

Num fim-de-semana em que o calor e o enorme índice técnico do traçado da 7ª Rampa de Santa Marta transformaram a sexta prova da temporada num desafio de enorme dificuldade, Rita Matos voltou a provar toda a sua consistência e capacidade de evolução. A duas provas do fim mantém-se no pódio da tabela absoluta dos 1300.

Prova após prova, a época de estreia de Rita Matos está cada vez mais transformada num hino à capacidade de evolução nos tempos e à consistência nos resultados.

Desta feita, a “rookie” do Fiat Uno 45S da MNE Sport tinha pela frente uma das pistas mais técnicas e exigentes do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group, com a sexta ronda de 2022 a desenrolar-se em pleno Douro Vinhateiro, juntando-se “à festa” um calor abrasador que transformou o evento num desafio titânico para todos os pilotos.

E o que dizer da exibição de Rita Matos?!

Contando com um Fiat Uno 45S muito fiável, a pacense voltou a cumprir escrupulosamente a sua estratégia alicerçada numa abordagem em crescendo às subidas de cada fim-de-semana e, uma vez mais, isso refletiu-se na progressão dos tempos, reservando sempre Rita Matos o seu “forcing” para as três subidas de prova.

Nestas, rodou sempre entre os 2:31 e os 2:28, sendo claro que começa a ousar levar o pequeno carro transalpino aos seus limites e sempre com uma demonstração de segurança pouco habitual numa piloto que está, este ano, pela primeira vez a competir.

A eficácia foi premiada com um Top 7 nos 1300, num evento onde o recorde de participantes foi alcançado, permitindo-lhe sair de Santa Marta ainda no 3º lugar da tabela absoluta do campeonato, isto a apenas duas provas do fim da temporada.

O resultado e a performance deixaram a piloto “muito feliz. Mais uma prova superada e com uma exibição positiva. Foi um fim-de-semana duro, mas fantástico. O traçado é espetacular e o público puxa tanto por nós”.

Rita Matos saiu assim de Santa Marta “muito satisfeita com o meu andamento e a forma como, rampa após rampa, consigo sempre evoluir nos tempos e cometer poucos erros, sendo também muito bom ter alcançado mais um resultado positivo. Continuámos no 3º lugar do campeonato e vamos sonhar com essa presença no pódio até ao fim. Tudo faremos para defender a posição nas duas provas que restam!”.

Nuno Guimarães: “vivi um fim de semana perfeito em Santa Marta!”

O “Capitão da Montanha” rubricou aos comandos do Silver Car S2 da NJ Racing uma exibição notável que o guindou ao pódio absoluto da 7ª Rampa de Santa Marta. No seu pecúlio ficou ainda nova vitória entre os Protótipos B.

O piloto duriense nem por um sopro de segundo escondeu ao longo do fim-de-semana a emoção intensa que o preenchia por “estar a correr em casa, nesta rampa que ajudei a erguer, perante a família, os amigos, os conterrâneos e os patrocinadores. É para eles a minha primeira palavra e é de agradecimento por terem estado presentes e me apoiarem de princípio a fim!”.

Nuno Guimarães enfatizou ainda “o tremendo sucesso desta edição da Rampa de Santa Marta, quer em termos desportivos quer ao nível social, como tanto mereceram o Município de Santa Marta de Penaguião e o Clube Automóvel da Régua, poise nunca se poupam a esforços para nos proporcionar um fim-de-semana inesquecível”.

Quanto à sua exibição e resultado na sexta prova da temporada 2022 do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group, o consagrado “Capitão”, define o evento numa frase tão curta quanto forte: “foi um fim de semana perfeito!”.

Desde a primeira subida que se percebeu que Nuno Guimarães “voava” com o Silver Car S2 rampa acima, devorando os 3050 metros sempre entre os três primeiros, ficando desde logo claro que, para além da vitória lógica nos Protótipos B, iria estar na luta pelo pódio à geral.

E foi o que aconteceu, saindo de Santa Marta com o 3º lugar absoluto, cimentando o craque de Peso da Régua esta mesma posição no campeonato. Quanto aos Protótipos B, incrementou o seu já avassalador domínio nesta divisão. Em seis provas cinco vitórias, atestando que o triunfo final na época já não lhe vai fugir.

“Este foi um resultado de sonho, numa rampa em que demonstramos um andamento muito forte. O Silver Car S2 mais uma vez esteve perfeito e eu estive sempre muito concentrado em todas as subidas e a opção de desde o início impor um ritmo forte resultou na perfeição” e nem “o calor extremo que a todos nos afetou manchou uma jornada incrível. Saímos de Santa Marta com os dois objetivos da época ainda mais próximos. Agora vamos descansar até ao Caramulo, onde podemos fechar as contas do campeonato!”, sintetizou Nuno Guimarães.

5ª vitória da época em Santa Marta coloca Vítor Pascoal às portas do título!

A 7ª Rampa de Santa Marta foi palco de mais uma sólida exibição de Vítor Pascoal aos comandos do Porsche 991 GT3 CUP. Venceu e convenceu entre os GT, logrando ainda chegar ao Top 7 absoluto da prova organizada pelo Clube Automóvel da Régua.

Foi um triunfo natural, mas não sem forte oposição: “foi um fim-de-semana muito intenso. Primeiro porque enfrentámos temperaturas muito altas, que nos fizeram sofrer muito fisicamente em todas as subidas. Depois, o Bernardo Garcia de castro andou muito forte e esteve sempre a pressionar-nos. Ainda bem pois quando existe concorrência, quem ganha é a modalidade e foi fantástico correr contra ele em Santa Marta. Fomos sempre mais fortes e penso que a vitória é inteiramente justa”.

O piloto de Baião realçou “o excelente trabalho da nossa equipa que me entregou sempre o Porsche em perfeitas condições, permitindo-me andar a fundo e chegar assim à quinta vitória do ano”, triunfo que coloca Vítor Pascoal às portas do título nacional da categoria, dependendo apenas de si para rematar já esse objetivo na próxima prova do campeonato.

Como nas outras rampas, Pascoal tem sempre na luta pela geral absoluta um dos seus focos. Em Santa Marta logrou terminar no 7º lugar, lugar que considera “satisfatório. O nosso objetivo passa por tentar sempre rodar o mais perto possível dos protótipos e, quando as características das rampas nos permitem, mesmo no meio deles. Em Santa Marta, não deu para mais, com os cinco protótipos a reservarem os cinco lugares da frente e ainda enfrentamos o Luís Nunes, com o Skoda Fabia, em grande forma, perdendo para ele o 6º lugar por apenas tendo ficado à nossa frente por apenas 77 milésimas. Parabéns ao Luís!”.

Vítor Pascoal não esqueceu a ausência de Gabriela Correia, sua principal adversária na luta pelo título dos GT: “ A Gabriela não pode vir, devido ao falecimento da sua avó. Foi uma triste notícia que muito nos abalou. Deixo aqui uma palavra de muito carinho e solidariedade à Gabi, ao seu pai José Correia e a toda a família. Desejo que ganhem forças e estejam de volta na próxima prova, pois são duas excelentes pessoas e dois pilotos de referência no nosso campeonato”.

Fechado o capítulo duriense, agora, é esperar ansiosamente que cheguem os dias 16 e 17 de julho, para ir até à mítica Montanha do Caramulo, selar as contas do título na prova organizada pelo Targa Clube. Será um momento de grande simbolismo pois foi nesta serra que Vítor Pascoal se estreou nas lides da Montanha.

António Rodrigues conquistou em Santa Marta mais um Top 2 absoluto!

O duriense rubricou uma exibição sem mácula “em casa”, levando o Silver Car EF10 ao 2º posto absoluto da 7ª Rampa de Santa Marta. É o segundo pódio consecutivo, depois de um início de ano verdadeiramente catastrófico.

A prova organizada pelo Clube Automóvel da Régua transformou-se numa espécie de derradeira confirmação de que António Rodrigues está de regresso à elevada bitola exibicional a que nos habituou nas duas épocas integrais que leva na carreira de piloto de Montanha.

O piloto da NJ Racing/Lusimed teve um início de época muito atribulado. Problemas mecânicos na estreia do Silver Car EF 10 forçaram-no a desistir em Murça e, logo a seguir, sofreu um aparatoso acidente na Penha, que provocou muitas mazelas no seu novo protótipo catalão.

O trabalho de reconstrução do Silver Car foi meticuloso e demorado, forçando-o a faltar à terceira prova, na Arrábida, regressando apenas na Falperra, prova encarada por António Rodrigues e pela equipa técnica da FRPOWER como um teste em competição.

Mas na Serra da Estrela, quinta tirada do ano, o piloto mostrou em pista que o trabalho técnico tinha sido perfeito e guindou-se ao 2º lugar da geral, mesmo tendo então assumido que a prudência tinha estado sempre presente no ritmo que colocou na prova.

Em Santa Marta, terra onde vive, António Rodrigues cedo deu a entender que ia optar por “rodar rápido, mas nunca sequer perto dos limites. Este é um ano de aprendizagem do Silver Car EF10 e cada prova é um teste onde conseguimos não só experimentar afinações diferentes, mas também ganhar ritmo e confiança, para atacar a época de 2023 com mais ambição. Obviamente que, em Santa Marta, queríamos conquistar uma boa posição e o ritmo que impusemos foi um pouco mais forte do que o que tínhamos posto na Serra da Estrela”.

Na rampa do Clube Automóvel da Régua, ficou a apenas 4,8 segundos do vencedor, encurtando distâncias em relação a provas anteriores e dando assim sequência ao regresso aos resultados de topo.

“É o nosso segundo pódio absoluto consecutivo e este tem um sabor muito especial porque foi em casa. Fomos melhorando os tempos e sentimos que conseguimos extrair cada vez mais todo o potencial do Silver Car EF10. Não cometemos exageros, nem andamos no limite, porque a evolução tem de ser gradual para atingirmos os nossos objetivos. Estamos muito motivados para as próximas provas”, resumiu no final, acrescentando que tinha sido “fim-de-semana muito duro, mas ainda mais emocionante. Jamais esquecerei o incrível apoio que sentimos ao longo de todo o traçado da rampa, subida após subidas. Correr perante a família, os amigos, os patrocinadores e as gentes da nossa terra é incrível!”.

A “Bala do Douro” começa assim a dominar o potente Silver Car EF10 e está claramente transformado num candidato a chegar brevemente à primeira vitória absoluta da sua carreira, sendo claro que a velocidade e a confiança do piloto estão de volta aos fortes índices que sempre ostentou.

3ª vitória da época em Santa Marta coloca Hélder Silva mais perto do título!

O piloto da Power House foi até ao Douro Vinhateiro superiorizar-se a uma forte concorrência e venceu a 7ª rampa de Santa Marta. O triunfo, isolou Hélder Silva ainda mais no comando do campeonato absoluto e é agora ainda mais candidato a renovar o cetro que conquistou em 2021.

Foi debaixo de um calor infernal que decorreu a 7ª Rampa de Santa Marta, sexta prova da temporada 2022 do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group.

Hélder Silva chegou ao evento organizado pelo Clube Automóvel da Régua sabendo que José Correia, o seu principal adversário na luta pelo título nacional estaria ausente: “o Zé não pode comparecer, devido ao falecimento da sua mãe. Foi uma notícia muito triste que recebemos com consternação. Endereço ao Zé, à Gabriela, sua filha e a toda a família um forte abraço de solidariedade neste momento de perda e dor”.

Quando à discussão do título de “Rei do Douro Vinhateiro”, Hélder Silva puxou dos galões de campeão e líder do campeonato, extraindo todo o potencial da sua “barchetta” Osella PA2000 EVO2 para chegar a um triunfo tão natural quanto merecido, não sem que tivesse de se empenhar de forma vincada: “foi um fim-de-semana muito intenso e com uma, luta muito interessante com o António Rodrigues e o Nuno Guimarães que, a correr em casa, estiveram magníficos e com o seu forte andamento , tornaram a nossa vitória mais saborosa”.

Saliente-se que, mesmo tendo os dois pilotos da NJ Racing a rodar perto, Hélder Silva venceu todas as subidas que efetuou durante o fim-de-semana, tendo mesmo estabelecido o seu melhor registo na última, rodando em 1:42.715 para cumprir os 3010 metros do traçado.

A vitória em Santa Marta reforçou a liderança do campeonato absoluto e, a duas provas do fim, Hélder Silva possuiu agora um sólido avanço de 35 pontos que o coloca muito bem posicionado para renovar o título.

No entanto, o craque da Power House considera que “nada está decidido. Embora agora estejamos mais longe dos perseguidores, ainda faltam duas provas e tudo pode acontecer. Vamos continuar a fazer o nosso trabalho e a dar tudo em pista para continuar a vencer. Queremos nova vitória no Caramulo”, naquela que será a sétima prova da temporada e que decorrerá nos dias 16 e 17 de julho sob a égide organizativa do Targa Clube.

Celso Fonseca cumpriu os seus objetivos em Santa Marta

Regressado aos comandos do seu Citroen Saxo preparado pela MNE Sport, o mesãofriense foi à 7ª Rampa de Santa Marta assinar uma exibição muito sólida, premiada com mais um Top 6 entre os Legends. O resultado permitiu a Celso Fonseca manter a 5ª posição na geral do campeonato e a liderança do Grupo Legends 99.

O fim-de-semana vivido por Celso Fonseca na prova organizada pelo Clube Automóvel da Régua foi “emocionante e intenso. Primeiro correr em Santa Marta é sempre para mim muito especial. É a rampa mais perto do meu concelho de nascimento e foi aqui que aprendi a gostar de competir nas provas de Montanha. O ambiente é único, o público fantástico e a pista excecional!”.

Depois, esta edição transformou-se “numa batalha muito gira que travei pela discussão do 6º lugar na geral dos Legends com o meu adversário e amigo Gonçalo Janeira. Andamos sempre a taco-a-taco, discutindo cada subida ao milésimo, ora sendo eu o mais rápido, ora ele e no final levei de vencida a contenda por apenas 14 milésimos de segundo, no somatório dos nossos dois melhores tempos. Foi fabuloso!”.

Uma fração de tempo incrível quando falamos de somar duas subidas a um percurso de três mil e cinquenta metros e que dá conta da exibição de grande nível que Celso Fonseca, a exemplo do seu adversário, ostentou.

O resultado permitiu ao piloto do Citroen Saxo segurar o seu 5º lugar na tabela pontual da geral do Campeonato de Portugal de Legends de Montanha JC Group e manter a liderança de forma sólida nas contas do Grupo Legends 99, cumprindo assim à risca os dois objetivos principais para esta sexta rampa da época.

“Estou muito feliz. Quer com a minha exibição, quer com o carro, que esteve excelente, quer ainda com o resultado. Num campeonato em que os  carros dos principais candidatos são muito mais competitivos do que o meu, estar no 5º lugar da geral a duas provas do fim é fantástico. Depois, conseguimos segurar a liderança no Grupo Legends 99 e vamos com 19 pontos de avanço para as duas últimas provas. Vamos dar tudo para manter a 1ª posição e vencer o grupo no fecho da época!”, assumiu Celso Fonseca que considera “estar a ser uma época de estreia muito para lá do que almejávamos atingir no início da época”.

Agora, quase um mês de intervalo até à sétima prova. Será a Rampa do Caramulo, que decorrerá nos dias 16 e 17 de julho sob a égide organizativa do Targa Clube.

&nbsp

Scroll To Top
Posting....