Domingo , Fevereiro 24 2019
ÚLTIMAS
Home / TODO-O-TERRENO / Calvário de Alejandro Martins na Baja TT do Pinhal
Calvário de Alejandro Martins na Baja TT do Pinhal

Calvário de Alejandro Martins na Baja TT do Pinhal

Vencedor da Baja TT do Pinhal em 2017 Alejandro Martins apresentou-se a partida da edição de 2018 com naturais ambições de lutar pelas primeiras posições na corrida que este ano abre a temporada do Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno.

Todavia e ao contrário da edição do ano passado, o piloto cedo começou a percorrer um longo calvário que viria a provocar o seu abandono da prova. Apesar de ter lutado por contrariar e ultrapassar as dificuldades, registando sempre um andamento extremamente vivo, a dupla Alejandro Martins / José Marques aos comandos da Toyota Hilux foi traída por um problema mecânico que o piloto entende que poderia ter sido evitado.

“Tudo começou no prólogo onde estávamos a fazer um tempo muito equivalente ao do João Ramos antes de uma ligeira saída nos ter levado a embater numa árvore. Saímos da situação com alguma dificuldade e apesar de me ter apercebido que algo estava diferente, naturalmente para pior, na nossa Toyota, os 43s perdidos não colocavam em causa as nossas ambições de continuar a fazer uma boa corrida já que correspondiam a uma 6º posição e o troço seguinte tinha apenas 75 km. Como sempre o faço transmiti o que tinha acontecido e como estava a sentir o carro”, explica Alejandro Martins que ficou desagradavelmente surpreendido quando se apercebeu duas horas mais tarde que “a Toyota continuava com um comportamento extremamente deficiente. Mesmo assim tive a indicação que estava a fazer o segundo tempo e continuei a aplicar-me ao máximo para tentar perder o menor tempo possível até ao final do troço”, referiu Alejandro Martins.

Mas o drama da equipa agravou-se substancialmente quando a Toyota encontrou enormes dificuldades em superar um gancho tendo nessa operação sido gastos longos minutos para desespero de piloto e seu navegador. Mais do que as duas posições perdidas, foram os 8 minutos gastos numa situação anómala que deixaram a formação extremamente preocupada.

Se os minutos perdidos não poderiam ser esquecidos a expectativa de um tempo mais alargado de assistência no final da 1ª etapa para resolver de vez o ou os problemas indicados pelo piloto e que estivessem a afetar o andamento da Toyota, animava a equipa. O facto de a prova estar a ser disputada em pistas molhadas e sem o pó que normalmente dificulta as ultrapassagens, a perspetiva de disputar a 2ª etapa em condições normais era pelo menos desprovida de menos um handicap.

“Infelizmente o animo cedo se esgotou quando me apercebi que os problemas continuavam e pior que isso, quando não conseguimos superar uma subida que todos os carros que vinham atrás de nós, com maior ou menor dificuldade, iam conseguindo superar. Não foi difícil perceber o que estava a passar. Apesar dos nossos reparos estávamos sem tração dianteira desde o prólogo. A partir daqui nada havia mais a fazer. Havemos de regressar com redobrado animo. Sabemos que temos andamento para lutar pelas primeiras posições e porque não ambicionar repetir uma vitória. Assim tudo esteja a funcionar nas melhores condições” salientou o piloto.

O Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno regressa a 7 e 8 de abril com o Algarve a receber mais uma edição da Baja TT de Loulé.

 

Scroll To Top