Segunda-feira , Junho 1 2020
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Castañon vence Penha
Castañon vence Penha

Castañon vence Penha

O primeiro lugar conquistado na segunda visita do CNM à Penha assegurou a vitória no Campeonato ao piloto de Santiago de Compostela

Foi a mãe da todas as subidas. A terceira passagem pelo traçado da Penha ditou a vitória na prova e arrumou a questão do campeonato a favor de Pedro Castañon. O piloto compostelhano deu o tudo por tudo e realizou o melhor tempo do fim-de-semana: 1m27,423s que lha assegurou bater Rui Ramalho.

A história desta Rampa da Penha II é também uma narrativa de problemas mecânicos, até para os dois primeiros. Rui Ramalho não chegou a treinar; transmissão partida na primeira subida de treinos e apenas teve a três e prova para fazer tempos.

Castañon pode subir nos treinos, mas não pôde subir na primeira de prova e teve que apostar nas duas subidas que lhe restavam e “rezar” para que a chuva que apareceu no início da manhã, não se mantivesse. Assim foi nas contas finais deixou Rui Ramalho 2,3 segundos.

Tiago Reis chegou ao pódium da gera. Foi terceiro e venceu a Categoria 3, quer na prova, quer em termos de Campeonato. O Tempo de 3m 09,485 segundos foi realizado nas duas primeira subidas, pois na derradeira passagem saia, na zona mais rápida do traçado e deixava o Ford Fiesta bastante mal-tratado. “A traseira escorregou, na saída da curva, as rodas entraram na valeta e já não pude recuperar o carro, que foi bater de frente numa árvore”, relatava o vencedor da Categoria 3, no final da prova.

Joaquim Rino terminou na quarta posição da geral e dessa forma arrecadou o terceiro lugar do pódium na Categoria 2, com BRC 05.
Manuel Pereira andou por perto, mas o Mitsubishi Lancer Evo VI, não chegou para bater o protótipo. Pereira foi um “descansado” segundo classificado na Categoria 3, classificando-se entre os irmãos Reis, Tiago e Edgar, que fechou o grupo dos três da frente.
Na Categoria 5, Luís Silva liderou, tendo tido a vida facilitada pela ausência de JoaquimTeixeira, como o próprio piloto confessava no final. “Correu muito bem e fiz aqui os meus melhores tempos de sempre”, rematava o homem do Mitsubishi Lancer.

Ricardo Gomes em Seat Leon 1.8, era a oposição, numa luta em que por sua vez tinha que se defender dos ataques de Tiago Ribeiro, que terminava a 2,8 segundos.

Na Categoria 1, com António Nogueira ausente, foi Manuel Correia que se colocou cedo na frente. Confessa-se cada vez mais adaptado ao Skoda Fabia S2000 e deixou Martine Pereira a 7,2 segundos. O Alfa-Romeu 156 não é claramente o ideal para o traçado da rampa.

Joana Barbosa foi quarta na classificação geral e mais uma vez ganhou entre as senhoras.

José Pedro Gomes foi um vencedor incontestado na Categoria 6 e chegaram-lhe as duas primeiras subidas para bater Hélder Silva. A diferença de 14 segundos e meio foi exemplo do domínio do homem do Ford Escort, que na terceira subida partiu a transmissão. José Figueiredo mais uma vez venceu entre os concorrentes da Taça 1300, com o Datsun 1200.

A próxima prova é a Rampa da Senhora da Graça, em 8 e 9 de Novembro.

 

Scroll To Top