Domingo , Dezembro 16 2018
ÚLTIMAS
Home / RALLYCROSS / Castelo Branco definiu alguns campeões
Castelo Branco definiu alguns campeões

Castelo Branco definiu alguns campeões

A Escuderia de Castelo Branco organizou a sexta prova do Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy, prova que serviu já para definir alguns dos Campeões de 2018.

Pedro Tiago, António Santos e Pedro Matos, têm já motivos para comemorar, pois são os virtuais campeões da Super Nacional A1.6, dos Super Buggy e dos Supercar. As restantes categorias, só se vão decidir em Sever do Vouga, em 13 e 14 de Outubro próximo.

cbranco pmatos podium O pódium da Supercar, Pedro Matos ao centro

cbranco ptiago camp Pedro Tiago

cbranco asantos camp domingo António Santos com a equipa

Super Iniciação

Rafael Rocha (Peugeot 106) terminou a qualificação na frente e dessa forma ganhou a Pole Position. Ao lado partia Rodrigo Correia (Peugeot 205), que foi segundo nas contas da qualificação.

Na partida foi João Novo (Peugeot 106) quem levou a melhor. Furou desde a segunda linha e colocou-se na frente.

Rodrigo Correia (Peugeot 205) e Rafael Rocha (Peugeot 106) ficavam a lutar pela terceira posição. Rodrigo falhou uma travagem na direita antes da entrada da Joker Lap e perdeu tempo, mas depois o carro de Rafael começava a falhar e Rodrigo Correia recuperava o segundo posto.

João Barroso esteve bem, mas o Fiat Uno não chega para bater os 1.4 mais potentes. Ariana Rodrigues (Peugeot 106) foi a melhor concorrente feminina, na quinta posição final.

cbranco jnovo João Novo (Peugeot 106)

Super Nacional 2RM

Santinho Mendes (Opel Astra) dominou as corridas de qualificação, se bem que o outro competidor para o título, Adão Pinto, estava apostado em não facilitar nada. Depois Santinho ficou com a tarefa mais facilitada, a partir do momento em que Adão Pinto viu o motor do Opel Astra partir.

Depois, na final, só deu Santinho. Fernando Silva (Seat Ibiza TDI) colocou-se em segundo e tudo ficou mais fácil, quando o motor do Opel Kadet de Nuno Pereira começou a falhar.

Santinho ganhava, Fernando Silva foi segundo e Nuno Pereira terceiro.

Supercar

Pedro Matos (Citroen DS3) dominou a jornada e na final venceu com naturalidade, comandando desde a partida. Essa vitória, entregou-lhe já, virtualmente, os louros de Campeão.

Joaquim Santos teve que se esforçar. No Sábado uma árvore de cames do motor de Ford Focus cedia, o motor era reparado, mas não estava bom e por isso, defendeu o segundo posto, dentro do possível, mas acabou por ceder para Daniel Pacheco (Subaru Impreza WRX), que simultaneamente comandava a Classe dois.

Depois era vez de Ademar Pereira (Subaru Impreza WRX), que rodava de forma cautelosa, para que o carro não se calasse de vez, passar para terceiro. Santos entretanto desistia.

cbranco pmatos dom Pedro Matos (citroen DS3)

Super 1600

João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) não deu hipótese na qualificação, em que venceu as quatro corridas.

Depois, na final, acelerou para nova vitória. Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600) foi o outro protagonista da prova, partiu bem, assumiu o segundo posto e colocou-se à frente de José Eduardo Rodrigues (Peugeot 206 S1600), que trazia a frente do Peugeot 206 de Joaquim Machado colado à traseira.

Entretanto, António Sousa (Citroen DS3 S1600) passava para quinto. André Sousa cobiçava-lhe a posição, mas à terceira volta o motor do Peugeot 207 S1600 “calava-se”. Sousa ainda conseguia retomar o andamento, mas já era demasiado tarde.

Ricardo Soares, com problemas de caixa de velocidades no Citroen Saxo S1600, era o sexto a cortar a meta.

João Ribeiro venceu, Mário Teixeira foi penalizado por ter pisado as linhas de partida e assim José Eduardo Rodrigues passou a ser segundo, com Joaquim Machado a ocupar o terceiro lugar do pódium.

cbranco ribeiro dom João Ribeiro (Citroen Saxo S1600)

Super Nacional A1.6

A qualificação foi discutida até à bandeirada xadrez e a pole position da final ficou posse de Luís Morais (Peugeot 106), que levou a melhor sobre Pedro Tiago (Citroen Saxo) que partia de segundo.

Pedro Tiago (Citroen Saxo) ganhava a final… e que final!

Nuno Magalhães (Peugeot 206) arrancava cedo de mais e por isso teria que cumprir duas ida à Joker Lap, cruzava as linhas do arranque e era penalizado em dez segundos. Ora as “penalidades” que lhe eram impostas colocavam-no definitivamente fora da luta pelo primeiro lugar.

O grupo da frente rodava animado. Ainda na primeira volta Jorge Costela (Citroen Saxo) era tocado e fazia um pião. Luís Morais era outro dos homens da frente, mas perdia a traseira do Peugeot 106, na travagem para uma direita e baixava para quinto.

Pedro Tiago (Citroen Saxo) andava na frente e ai terminava a corrida. Tiago Ferreira (Peugeot 106) era quem lucrava mais com a penalização de Magalhães e subia para o segundo lugar final, à frente de Leonel Sampaio (Citroen Saxo). Nuno Magalhães (Peugeot 206) ainda terminava em quarto, na dianteira de Benjamim Sousa (Citroen Saxo).

cbranco ptiago Pedro Tiago (Citroen Saxo)

Super Buggy

Ludgero Santos (Toniauto) teve direito a Pole Position, empatado em pontos com Rui Godinho (SB PG), que ganhou por duas vezes na qualificação, mas na terceira corrida ficou atrás de António Santos.

Depois, na final, Ludgero foi para frente e deixou António Santos e Rui Godinho a discutirem o segundo posto. Entretanto, Nelson Barata colava-se a Toniauto de Santos e ganhava-lhe a posição.

Rui Godinho, sem pressão, ganhava tempo ao líder e Nelson Barata e António Santos, ficavam a discutir a posição restante do pódium. Nesta luta seria Barata que levava a melhor e Rui Godinho morria na praia, com o motor do SB PG partido

Arménio Santos (GRT MXG) cumpria as voltas da corrida com problemas mecânicos até ser o quinto a cortar a meta.

António Santos é ja o virtual campeão dos Super Buggy.

Kartcross

Jorge Gonzaga (ASK EVO 18) detinha a Pole Position para final. Venceu a qualificação, que teve três vencedores distintos nas três corridas, mas as contas finais foram-lhe favoráveis.

Depois, na final, Gonzaga ganhou de novo, após uma das mais espectaculares corridas dos últimos tempos.

José Mota (Semog Bravo) arrancou como um tiro e colocou-se na primeira posição. Logo atrás tinha Jorge Gonzaga, que por sua vez trazia Pedro Rosário (Semog Bravo ER) a rodar parachoques com parachoques.

Mais atrás, na curva um, um toque deixava Pedro Palma (Semog Bravo) fora de prova.

O trio da frente destacava-se de Daniela Godinho que liderava o segundo pelotão, que integrava Fábio Machado (ASK) e Mário Rato (Semog Revolution SR).

Entretanto os homens da frente apanhavam Vítor Santiago (Semog Bravo), que apesar de estar prestes a ser dobrado e receber bandeiras azuis, defendeu a posição como se do líder se tratasse.

As idas à Jokes Lap foram assim decisivas e no regresso à pista, Pedro Rosário não conseguia evitar um toque com José Mota. Mota ficava pelo caminho Rosário fazia uma prova de garra e partia em perseguição de Jorge Gonzaga.

Nas duas últimas voltas, os homens da frente protagonizaram uma luta intensa, pela primeira posição. Jorge Gonzaga a defender o primeiro posto, o Campeão em título, Rosário, a dar o tudo por tudo para vencer. Ao cortar da meta o homem do ASK levou a melhor.

Pelo meio, Mário Rato furou até terceiro, seguido por Daniela Godinho, uma mulher de armar que pôs todos os outros em respeito e venceu o troféu feminino.

Fábio Machado e Pedro Rabaço fecharam o grupo dos seis da frente.

cbranco joca Jorge Gonzaga (ASK EVO 18)

 

Scroll To Top