Sexta-feira , Maio 14 2021
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / César Rodriguez veio a Portugal vencer Rampa Penha
César Rodriguez veio a Portugal vencer Rampa Penha

César Rodriguez veio a Portugal vencer Rampa Penha

César Rodriguez veio de Espanha vencer a primeira prova do Campeonato Nacional de Montanha, a Rampa da Penha, numa organização do DEMOPORTO – Clube de Desportos Motorizados do Porto.

Foi uma vitória conquistada somente após a última subida, apanhado de surpresa João Fonseca, que dominou nas duas corridas iniciais.

Primeira Subida de Prova

Definitivamente João Fonseca apostou nas subidas de prova. Logo na primeira passagem a contar para a classificação levou o Silver Car a fazer o tempo de 1m31,003 segundos, o mais rápido do dia, batendo o espanhol César Rodriguez, por seis décimas.

Rui Ramalho continua a fazer baixar tempos. Agora, já mais adaptado ao Juno CN 09 no traçado da Penha, obtém a terceira melhor marca. Pedro Castañon, já com os problemas eléctricos no motor do Juno resolvidos, roda muito próximo do Rui Ramalho. Apenas 14 milésimas os separam.

A Categoria 2 destina-se aos protótipos e fórmulas (monolugares) com cilindrada limitada a 2.000 cm3 e ainda a automóveis tipo “silhueta”, com carroçarias semelhantes às do dia-a-dia, mas com base num chassis desenvolvido unicamente para competição.

António Nogueira faz um tempo dois décimos piores do que na última de treinos e passa para a quinta posição geral, mas continua a dominar a Categoria 1, batendo João Barros por quase um segundo. Manuel Correia, é terceiro, à frente de Martine Pereira. Esta categoria abrange as várias classes com homologação FIA destinada a automóveis de produção, alterados para competição, de acordo com os regulamentos da Federação Internacional; nesta categoria incluem-se ainda os GT´s.

Manuel Pereira, lidera com segurança na Categoria 3. A vantagem sobre Edgar Reis é de 1,9 segundos. Jorge Meira é terceiro. Recorde-se que a Categoria 3 é destinada a automóveis que provêm de troféus nacionais de ralis e cuja preparação já não se encontra de acordo com os regulamentos e homologação da época.

Joaquim Teixeira, continua a liderar a categoria destinada às viaturas que tenham perdido a homologação FIA, ou provenientes de troféus monomarca e que estejam de acordo com os regulamentos da época, ou seja a Categoria 5. A oposição mantém-se na pessoa de Luís Silva.

José Correia é o terceiro mais rápido da categoria.

Os clássicos, ou Categoria 6, mantêm em aberto a luta, José Pedro Gomes/Aníbal Rolo. Helder Silva, em BMW, é o terceiro mais rápido com uma vantagem de quatro segundos sobre Francisco Marão.

Segunda subida de prova

Os tempos a baixarem e as diferenças entre os homens da frente a diminuírem são a sílaba tónica da subida intermédia.

Menos de dois segundos separam os mais rápidos da geral. João Fonseca retira mais duas décimas ao tempo anterior e o acumulado é agora de 3m 01,9 segundos e tudo está em aberto para a derradeira subida, pois César Rodriguez está a muito escassos 182 milésimos.

Pedro Castañon, talvez fruto de não ter treinado, retira 1,8 segundos e é terceiro mais rápido no traçado da Penha e por sua vez também ele não se pode distrair, pois Rui Ramalho é cada vez mais um adversário “duro de roer”. Seis décimas é a diferença com que vão partir para a última subida de prova. Paulo Ramalho, Nuno Guimarães e Carlos Torres completam o grupo.

Na Categoria 1 as coisas estão semelhantes. António Nogueira está na frente, mas 1,3 segundos de vantagem sobre João Barros não são ainda suficientes , para encerrar as contas.

Nesta Categoria realce para Joana Barbosa, que continua a evoluir, tendo “rapado” mais de dois segundos, entre subidas.

A Categoria 3 mantém-se com a ordem de forças já bastante estabilizada. Manuel Pereira, dilata a vantagem sobre Edgar reis, que está agora a 5,1 segundos.

Na Categoria 5 a história é semelhante. Joaquim Teixeira lidera e tem a primeira posição praticamente garantida com 11,6 segundos sobre Edgar Reis.

Nos clássicos a História é mais ou menos a mesma relativamente à corrida anterior. A grande questão é que tudo está mais do que em aberto. José Pedro Gomes tem uma vantagem de 1,2 segundos sobre Aníbal Rolo, que por sua vez está 1,7 à frente de Hélder Silva.

Nuno Silva é o líder entre os concorrente em carros de Grupo A, com o BMW 325 Ix.

Terceira subida de prova 

João Fonseca debateu-se com problemas na travagem do Silver Car. “Estava a travar muito no fundo e tive que me adaptar a esse facto todo o dia”, comentava o piloto, que na derradeira subida ainda tirava nove décimas, mas não conseguia fazer frente à armada espanhola, que apostava forte na derradeira subida e levavam a melhor.

Pedro Castañon rodava em 1m 29,97s e subia ao segundo posto final, dando a impressão que poderia ser ainda melhor, se tivesse treinado devidamente… César Rodriguez faz um tempo canhão e atinge o crono final de 2m59, 156s que lhe dá a vitória.

Rui Ramalho, sempre a melhorar, estabeleceu o melhor tempo na derradeira subida e fechou a classificação definitiva com o quarto posto. Ainda na Categoria 2, Paulo Ramalho encerrou o “top 5”.

Nuno Guimarães, regressou à actividade com o BRC, que esteve parado toda a época passada. Terminou com a sexta posição entre os concorrentes da Categoria 2.

António Nogueira manteve-se de pedra e cal na frente da Categoria 1. A derradeira subida não trouxe surpresas…

Manuel Pereira foi vencedor que já se previa na Categoria 3, com vantagem de 4, 7 segundos sobre Edgar Reis.

Joaquim Teixeira cumpriu a terceira subida em ritmo descontraído e levou a melhor sobre Luís Silva, na Categoria 5.

Surpresa foi o que aconteceu entre os clássicos. Quando tudo parecia arrumado, eis que Hélder Silva roda em 1m41,1 e como contam as duas melhores subidas o tempo combinado foi de 2m41,16, o que lhe deu a vitória pela margem de uma décima de segundo!

José Pedro Gomes fica assim na segunda posição, quer na categoria, quer no Grupo 2.

Aníbal Rolo, termina em terceiro e vence o Grupo 4.

No Grupo 1 a vitória sorriu a Rui Castro e por fim, não por último, a vitória entre os 1300 foi posse de José Figueiredo que levou o Datsun 1200 de Grupo 2 até à vitória na Taça.

A organização coube ao DEMOPORTO que de novo cumpriu a abertura da época . A próxima prova é já a Rampa da Falperra, em 10 e 11 de Maio próximo.

&nbsp

Scroll To Top