Terça-feira , Maio 21 2019
ÚLTIMAS
Home / RALI / Citroen C3 WRC pronto para inverno…sueco
Citroen C3 WRC pronto para inverno…sueco

Citroen C3 WRC pronto para inverno…sueco

Naquela que será a 2ª prova da temporada, os concorrentes do Campeonato do Mundo FIA de Ralis irão disputar a única prova 100% de Inverno do ano. Será nas estradas geladas do Rali da Suécia que as duplas Kris Meeke / Paul Nagle e Craig Breen / Scott Martin estarão encarregues de fazer deslizar os seus Citroën C3 WRC.

 

 

 

RALI DA SUÉCIA: SEMPRE A ESCORREGAR

Presente no calendário do Campeonato do Mundo, desde o seu início em 1973, o Rali da Suécia está entre as provas incontornáveis da temporada. Mesmo quando o mercúrio atinge cerca de -30 °C – algo que não deverá ser o caso na edição deste ano… – são sempre muitos os espectadores presentes ao longo das estradas, para ver passar os acrobatas do volante. Escorregando a toda a velocidade, os WRC tocam nos muros da neve, num show de condução inesquecível! Segundo os pilotos, a aderência permitida pelos pneus de pregos proporciona sensações únicas…

A edição de 2017 inclui muitas novidades, com um Parque de Assistência agora localizado no Aeroporto de Torsby. Esta configuração permitiu renovar mais da metade do percurso, pelo que os concorrentes irão descobrir secções inéditas. Após a tradicional SuperEspecial, a disputar na noite de quinta-feira, no Hipódromo de Karlstad, a rota da Etapa de sexta-feira segue para a Noruega, sendo de destacar a especial de Rojden, a única da temporada a desdobrar-se pelos dois países! Já no sábado, o destaque será obviamente Vargasen, com o seu concurso de salto em distância no Colin’s Crest. O rali termina no domingo à tarde, com a Power Stage de Torsby.

 

OS DESAFIOS: O INÍCIO DE UMA NOVA ERA PARA O WRC

Recheado de muitas voltas e reviravoltas, o Rali de Monte Carlo confirmou a homogeneidade do plantel de 2017 e a espectacularidade da nova geração de World Rally Cars. Já para a Citroën Total Abu Dhabi WRT esse primeiro encontro do ano não esteve à altura das suas ambições, seguindo-se apenas duas semanas para analisar as razões deste resultado e de afinar agulhas em preparação para a Suécia.

Após uma primeira sessão de testes no início de Janeiro, a equipa continuou no passado fim-de-semana com o previsto processo de desenvolvimento do Citroën C3 WRC, fazendo-o tão próximo quanto possível da data da prova. Nesta prova serão, de novo, dois os carros incritos no Campeonato do Mundo de Construtores. Ao lado de Kris Meeke e Paul Nagle, a dupla constituída por Craig Breen e Scott Martin irá fazer a sua estreia no C3 de competição. Já Stéphane Lefebvre e Gabin Moreau irão evoluir num carro da geração anterior.

Um ano após ter estado ao nível dos melhores nesta prova, Kris Meeke tem a vitória como objetivo. Quanto a Craig Breen, ele que foi 8º na edição de 2016, no seu primeiro rali ao volante de um WRC da Citroen Racing, também irá procurar um bom resultado, naquele que é um dos seus terrenos favoritos.

 

 


 

O QUE ELES DISSERAM…

YVES MATTON, DIRETOR DA CITROËN RACING: “Desde que regressou do Mónaco, a equipa abraçou o trabalho com serenidade e determinação. A análise ao Rali de Monte Carlo demonstrou que o nosso fraco desempenho se deveu a um acumular de factos, isolados e muitas vezes imprevisíveis, ao invés de se dever a um grande problema. Deste ponto de vista, é bastante reconfortante e permanecemos confiantes no nosso potencial, pelo que na Suécia esperamos obter um melhor resultado. Caberá, de novo, a Kris Meeke apostar na vitória, enquanto Craig Breen terá de aprender e progredir no seu primeiro rali com um C3 WRC. Apenas iremos ter dois carros insritos para pontuar, mas esperamos reduzir a diferença no Campeonato do Mundo de Construtores.”

 

LAURENT FREGOSI, DIRETOR TÉCNICO: “Ao longo dos anos aprendemos a dominar as especificidades deste rali. As afinações derivam do set-up utilizado em pisos de terra e constatámos nos testes que o C3 WRC reage bem às nossas soluções habituais. Se as condições se degradarem com menos neve e gelo, há que ser capaz de adaptar esse set-up, com suspensões adequadas aos trilhos que irão surgir nos troços. Nestas condições, os pregos dos pneus tendem a partir-se, havendo também que limitar este fenómeno jogando com alguns parâmetros. Ao longo dos quilómetros, também a neve se acumula nos carros e esse peso extra influi na performance. Tomamos isso em consideração no desenho da carroçaria, mas é sempre um fenómeno inevitável.

 

KRIS MEEKE: “Após um Monte-Carlo decepcionante, para mim e para a equipa, é difícil estar totalmente confiante na véspera do Rali da Suécia. Aprendemos com esta primeira prova e estaremos mais fortes nas próximas jornadas desta longa temporada. Estou feliz por estar à partida de um dos meus ralis favoritos. Em teoria, apresento-me à partuda com a vitória como objetivo, mas sabemos que o nível de performance de todos nós depende das condições meteorológicas. Se nevar muito antes do rali, a minha posição inicial para a 1ª Etapa será a ideal, mas se, ao contrário, o gelo derreter, tal irá reduzir as minhas hipóteses. Vamos fazer o nosso melhor.
Nº de participações na prova: 3

Melhor resultado: 7º lugar (2015)

 

CRAIG BREEN: “Estou muito ansioso por fazer a minha estreia em competição com o Citroën C3 WRC! Será, provavelmente, um dos momentos mais belos da minha vida. Este é um rali que me traz boas lembranças, começando pela edição de 2016, que foi o meu primeiro rali ao volamte de um Citroën. Por outro lado, acho que este terreno irá perdoar um pouco mais os pequenos erros, se bem que, em qualquer dos casos, a estrada está barrada com paredes de neve muito compacta! Sinto-me confiante neste ambiente, com o carro e com a equipa e mesmo se não temos certeza do que esperar, estou pronto para o desafio.

Nº de participações na prova: 4

Melhor resultado: 8º lugar (2016)

 

STÉPHANE LEFEBVRE: O Rali da Suécia é, sem dúvida, a prova onde tenho mais a aprender, pois apenas aqui estive uma vez, há dois anos e com um DS 3 R5. Neste contexto, não estarei frustrado por estar ao volante de um carro da geração anterior. Sem pressão, consiguirei adoptar o meu próprio ritmo e tenho por objetivo recuperar de um Monte-Carlo difícil. Tenho dificuldade em antecipar as coisas e definir uma meta específica, mas vou aproveitar todas as oportunidades para marcar pontos.

Nº de participações na prova: 1

Melhor resultado: –

 

Nuno Dinis

 

Scroll To Top