Sexta-feira , Março 22 2019
ÚLTIMAS
Home / RALI / Citroen com oportunidade perdida na Argentina
Citroen com oportunidade perdida na Argentina

Citroen com oportunidade perdida na Argentina

Frustrante em diversos aspetos, o fim de semana do Citroën Total Abu Dhabi WRT na Argentina terminou com o abandono dos dois carros. A equipa mantém-se confiante no seu potencial e tem agora as suas atenções viradas para os eventos que se seguem, nos quais, como sempre, vai procurar alcançar a vitória.

 

O FILME DO RALI

O Rali da Argentina arrancou na noite de quinta feira com a realização de uma Super Especial citadina, disputada nas ruas de Córdoba. Depois da “pernoita” em parque fechado, os carros partiram na sexta feira de manhã para uma longa etapa composta de oito Especiais.

De imediato, Kris Meek e Paul Nagle partiram à conquista da liderança. Após a ES3, o Citroën C3 WRC nº 7 era o segundo classificado da geral, a menos de dez segundos do comandante. Contudo, na Especial Santa Rosa – San Agustin, o piloto britânico foi surpreendido por um ressalto totalmente inesperado: o carro foi literalmente laçando pelo ar, “aterrando” na esquina da berma e entrando numa sucessão de capotamentos para fora da estrada. Meek conseguiu terminar a ES4, mas perdeu largos minutos durante todo o processo.

Por seu lado, Craig Breen não foi mais feliz e teve a mesma sorte: exatamente no mesmo ressalto que tinha atraiçoado o seu colega de equipa, o plioto irlandês fez também uma violenta “aterragem forçada” e foi incapaz de evitar o embate numa pedra, danificando seriamente a parte de baixo do carro. A caixa de velocidades acabou ser a grande vítima do embate, sofrendo danos graves e ficando bloqueada na quinta relação.

Ambos os carros forçam forçados a acabar ali o dia, pois os estragos sofridos não lhes permitiriam completar a Etapa. Na tentativa de garantir que ambas as equipas pudessem regressar à prova no dia seguinte em Rali 2, os mecânicos e os engenheiros da Citroën Racing efetuaram importantes reparações mecânicas.

No Sábado, os dois C3 WRC deixaram o parque fechado, mas, na Zona de Assistência, os mecânicos detetaram uma fuga de óleo no caro de Craig Breen. Para evitar mais danos na mmecânica, o irlandês não alinhou

à partida para a segunda Etapa. Isso permitiu à equipa desmontar totalmente o grupo propulsor, de forma a susbtituir um componente danificado em resultdo do embate do dia anterior.

Depois de se certificar de que o seu carro estava em condições, nas primeiras Especiais do dia, Kris Meek recuperou o seu ritmo, vencendo duas Especiais (ES11 e ES12) antes do intervalo para Assistência, a meio da Etapa. Infelizmente, a segunda passagem pelas Especiais acabou com o piloto da Irlanda do Norte mais uma vez a sair da estrada. Depois de embater numa berma a alta velocidade, na ES14, o Citroën capotou nada menos de oito vezes! Desta vez, o rali tinha mesmo acabado para Kris.

No domingo, Craig Breen era, então, o único representante da equipa na última Etapa. Nesta sua primeira particiapação no Rali da Argentina, o irlandês ficou satisfeito por ter conseguido aculumar experiência, especialmente numa prova com estas caraterísticas. Sendo o quarto mais rápido em El Condor – Copina e terceiro em Mina Clavero – Giulio Cesare, Breen mostrou que tem capacidade para se adaptar e progredir rapidamente. Na última Assistência, a equipa decidiu retirar o carro da prova, de forma a garantir que ainda pode dispor da totalidade de quota de peças permitida pelos regulamentos, para os próximos ralis.

UM BOM RITMO QUE NÃO SE CONVERTEU EM RESULTADOS

Como é óbvio, o resultado final ficou claramente a milhas de distância das expetativas do Citroën Total Abu Dhabi WRT, dez vezes vencedor do Rali da Argentina. ”Demonstrámos que temos capacidade para alcançar o nosso objetivo, ou seja, vencer o rali”, comentou Yves Matton, Diretor do Citroën Racing Team. “O Kris registou uma série de tempos em que foi o mais rápido ou o segundo mais rápido, o que deixa bem claro que o C3 WRC tem tudo o que é preciso para andar na frente. Da mesma forma, os tempos feitos pelo Craig no sábado – numa altura que se disputava a vitória final – apenas vieram confirmar as potencialidades do C3. Mesmo assim, não conseguimos que o nosso excelente ritmo se traduzisse em resultados aqui na Argentina. Desde o início da temporada que temos vindo a pagar um evelado preço por cada obstáculo que surge no nosso caminho. Vamos continuar a trabalhar no duro e não vamos desistir, estamos plenamente convencidos de que o nosso empenho acabará por começar a dar frutos. A nossa abordagem vai continuar a ser agressiva: em vez de olhar apenas para um resulatdo no Campeonato do Mundo, queremos mesmo é vencer ralis e isso implica que, até certo ponto, temos de estar dispostos a correr riscos.”

Entre os poucos aspetos positivos do fim de semana, o excelente trabalho feito pelos mecânicos aparece no topo da lista. As reparações feitas no C3 WRC de Kris Meeke após o seu acidente na sexta feira, vão ficar como uma das maiores proezas da equipa técnica da Armada Vermelha.  Como destaca Yves Matton, “Os nossos mecânicos formam, sem dúvida, a melhor equipa de ralis dos últimos quinze anos. Trabalharam incansavelmente para reparar o carro que, como ficou comprovado pelas duas Especias ganhas pelo Meeke no sábado, ficou em perfeitas condições. Portanto, foi pena que o seu enorme trabalho e empenho não tenham sido recompensados de uma forma mais generosa.  É sempre de lamentar quando se perde um carro que regressa à prova em Rali 2, devido a outra saída de estrada.”

 

 

 

PRÓXIMA PARAGEM: PORTUGAL

Assim que regressar da América do Sul, a equipa começará a preparar os próximos ralis. Uma sessão de testes, agendada para ter lugar em Italiá, servirá para preparação do Rali de Portugal e do Rali de Itália Sardenha. Na próxima jornada, alinharão à partida quatro Citroën C3 WRC para Kris Meeke/Paul Nagle, Graig Breen/Scott Martin, Stéphane Lefebvre/Gabin Moreau e Khalid Al Qassimi/Chris Patterson.

 

RALI DA ARGENTINA 2017
CLASSIFICAÇÃO GERAL

  1. Neuville/Gilsoul (Hyundai i20 WRC) 3h38m10,6s
  2. Evans/Barrit (Ford Fiesta WRC) +0,7s
  3. Tanak/Jarveoja (Ford Fiesta WRC) +29,9s
  4. Ogier/Igrassia (Ford Fiesta WRC) +1m24,7s
  5. Latvala/JAnttila (Toyota Yaris WRC) +1m48,1s

WRC 2017 / CLASSIFICAÇÕES


PILOTOS

  1. Sébastien Ogier – 102 pontos
  2. Jari-Matti Latvala – 86
  3. Thierry Neuville – 84
  4. Ott Tanak – 66
  5. Dani Sordo – 51
  6. Elfyn Evans – 42
  7. CRAIG BREEN – 33
  8. Hayden Paddon – 33
  9. KRIS MEEKE – 27
  10. Juho Hanninen – 15
  11. Andreas Mikkelsen – 12
  12. STÉPHANE LEFEBVRE – 10

 

CONSTRUTORES

  1. M-Sport WRT – 162 pontos
  2. Hyundai Motorsport – 140
  3. Toyota Gazoo Racing WRT – 102
  4. CITROËN TOTAL ABU DHABI WRT – 73

 

 

Scroll To Top