Terça-feira , Setembro 17 2019
ÚLTIMAS
Home / RALI / Estrangeiros entram ao ataque no Banco BIC Rally de Portugal Histórico
Estrangeiros entram ao ataque no Banco BIC Rally de Portugal Histórico

Estrangeiros entram ao ataque no Banco BIC Rally de Portugal Histórico

O Banco BIC Rally de Portugal Histórico de 2014 foi para a estrada nesta terça-feira com as 75 equipas admitidas à partida a fazerem a ligação entre os Jardins do Casino do Estoril e a cidade de Tomar, com Yves Deflandre/Joseph Lambert a imporem-se na frente da classificação ao cabo dos primeiros 215,47 quilómetros de prova, 55,702 dos quais disputados ao longo de cinco Especiais de Classificação.

A dupla belgo-luxemburguesa do Porsche 911 (1972) começou muito bem a prova de Regularidade Histórica do Automóvel Club de Portugal, com o navegador Lambert, vencedor de duas edições e segundo classificado no ano passado, a fazer uso de toda a sua experiência para dominar a 1ª Etapa quase na totalidade ao vencer três das cinco Especiais propostas.

Na segunda posição, e após animada luta inicial, ficou a dupla Dominique Holvoet/Bjorn Vanverschelde. Os homens do Toyota Celica GT 1600 (1971) começaram de forma modesta, fora dos 20 primeiros, mas após a SS2 ocupavam já a terceira posição, atrás do português Cipriano Antunes. Contudo, a terceira classificativa do dia foi determinante para Antunes. O piloto do Audi Quattro (1981) perdeu muito tempo e caiu para a sexta posição da geral.

Enquanto isso, Daniel Reuter e Robert Vandvorst (Porsche 914/6, de 1970) subiram três posições na última especial do dia para terminarem a Etapa no mais baixo do pódio provisório.

Carlos Brizido e João Seródio (Porsche 911, de 1975), que chegaram a rodar no terceiro posto, viram-se relegados para quarto ao final do dia mantendo, ainda assim, a liderança entre os pilotos nacionais.

A fechar o Top 5 ficou a dupla Philippe Fuchey/António Caldeira. Os homens do Porsche 911 SC (1978) concluíram o primeiro dia de prova a 25,7s da frente, mas estão a meros 2,2s do quarto posto, curiosamente a mesma diferença que têm para os sexto classificados, Paulo Marques e João Martins (BMW 1600, de 1969).

Já a dupla gaulesa Vladimir da Silva/Nicolas Missillier sofreu acidente na segunda Especial do dia, sendo assistidos pela equipa médica por prevenção, isto enquanto o carro ficou algo danificado.

Amanhã os pilotos têm pela frente mais 220,40 quilómetros, 149,091 dos quais repartidos por 11 Especiais, que ligarão Tomar a Viseu, com um reagrupamento em Arganil. O programa do dia termina com a Prova de Regularidade por Sectores da Avenida Europa, a partir das 18h25 em Viseu, seguindo-se o Flexi Service junto ao Hotel Montebelo entre as 22h30 e as 23h30.

 

Scroll To Top