Quarta-feira , Dezembro 19 2018
ÚLTIMAS
Home / RALI / José Pedro Fontes vence “ao cair do pano”
José Pedro Fontes vence “ao cair do pano”

José Pedro Fontes vence “ao cair do pano”

 

José Pedro Fontes e Paulo Babo, em Citroën C3 R5, venceram o Rali Amarante Baião, penúltimo “encontro” da temporada do Campeonato de Portugal de Ralis, Uma prova organizada pelo Clube Automóvel de Amarante onde foi estreado um figurino de asfalto. Este rali só deu a conhecer o verdadeiro vencedor na última classificativa, uma vez que os dois candidatos partiram para a estrada separados por apenas meio segundo. Fontes terminou com um total de 1h07m27.70s e uma vantagem de cinco segundos sobre João Barros e António Costa, segundos classificados.

João Barros, que estreou na região do Tâmega o novo Skoda Fabia R5, comandou sempre o pelotão dos 70 inscritos presentes na prova que ligou os dois concelhos, porém na penúltima especial, Fontes acabou por ser mais forte.

O pódio fechou com o Hyundai i20 R5 de Armindo Araújo e Luís Ramalho, que só na última parte do rali tiveram mais colaboração por parte do modelo sul coreano. Mesmo assim, este resultado permite-lhes sair de Amarante e rumar para o Rali Casinos do Algarve (15/17 Novembro), última prova do campeonato com alguma “distância de segurança” sobre a dupla Ricardo Teodósio/Ricardo Teixeira, que aos comandos de um Skoda Fabia R5, foram quartos à geral e mantém o segundo posto no campeonato.

Miguel Barbosa e Hugo Magalhães (Skoda Fabia R5) fecharam o grupo dos cinco melhores.

Discurso directo

José Pedro Fontes (1.º CPR)

“Em primeiro lugar quero dedicar esta vitória à Inês Ponte (ex-navegadora, n.d.r). Depois não podia estar muito satisfeito com este resultado. Demos tudo nesta parte final do rali e conseguimos terminar na frente. Contudo, por tudo o que mostrou durante o rali, o João Barros também seria um justo vencedor”.

João Barros (2.º CPR)

“Foi um rali espetacular. Marcámos o andamento desde a primeira hora, mas na parte final o José Pedro Fontes esteve melhor. O carro (estreia do Skoda Fabia R5, n.d.r.) esteve sempre muito bem, mas ainda estamos na fase de adaptação e saímos daqui com a plena certeza que ainda temos muita margem de progressão”

Armindo Araújo (3.º CPR)

“Estou muito satisfeito com este resultado. Entre ontem e hoje de manhã, o carro não estava a 100%, mas na assitência durante o almoço a minha equipa conseguiu resolver o problema e aí já consegui voltar a discutir os lugares da frente, mas o atraso já era considerável. Apesar de ainda estar tudo em aberto parto para o Algarve (Rali Casinos do Algarve, última prova da temporada, n.d.r), com mais alguma tranquilidade e aspirações concretas para a conquista do título”.

rali amarante baiao armindo araujo cara final

Bernardo Sousa (1.º 2WD)

“Viemos fazer esta prova para demonstrar que a equipa é competitiva. A organização está de parabéns, porque a prova foi muito bonita, com zonas rápidas e zonas mais técnicas e acredito que se quiserem podem ainda esticar os troços. Não tivemos qualquer problema com o carro, tudo correu de feição”.

Miguel Correia (2.º 2WD)

“Foi uma luta fantástica, com o Nunes e com o Antunes, que muito nos orgulha. Era uma estreia para todos e este resultado enche-nos de orgulho. O último troço foi feito a fundo, sabíamos que ia ser difícil mas conseguimos segurar a segunda posição que era o objetivo.”

Daniel Nunes (3.º 2WD)

“Iniciamos a prova com cautelas porque o nosso objetivo é garantir o título da categoria. Estivemos sempre na luta pelos lugares do pódio. Um furo fez-nos perder a segunda posição e depois teme-mos que viéssemos a perder também o terceiro posto. A última especial foi feita ao ataque para podermos assegurar o pódio. Uma luta fantástica entre mim, o Correia e o Antunes, em que qualquer um de nós podia ser segundo ou quarto classificado. Já conquistei o título de quatro rodas motrizes, agora vamos tentar assegurar o título de duas rodas motrizes.”

Ricardo Matos (1.º Taça FPAK Ralis)

“É um momento de sonho para qualquer piloto, poder vencer uma prova de ralis às portas de casa. Fizemos sempre uma prova muito regular. Adotamos uma toada forte mas com alguma cautela de modo a não deitar tudo a perder. Queríamos poder adiar a decisão do título para a última ronda, e foi o que conseguimos. No último troço, apanhamos um susto com um problema na transmissão traseira à saída de um gancho mas conseguimos terminar e vencer que era o nosso principal objetivo.”

 

Scroll To Top