Domingo , Junho 16 2019
ÚLTIMAS
Home / RALI / Oraginzação presta esclarecimentos sobre acidente de Dávid Botka no Azores Airlines Rallye
Oraginzação presta esclarecimentos sobre acidente de Dávid Botka no Azores Airlines Rallye

Oraginzação presta esclarecimentos sobre acidente de Dávid Botka no Azores Airlines Rallye

Através de comunicado enviado para a nossa redação a organização do Azores Airlines Rallye, a cargo do Grupo Desportivo Comenrcial veio esclarecer o acidente de Dávid Botka na parte final da prova inaugural do ERC.

“Relativamente à publicação do Sr. Dávid Botka (concorrente nr. 23 no Azores Airlines Rallye de 2018) no perfil da sua equipa na rede social Facebook alegando que a Organização do Azores Airlines Rallye abandonou a sua equipa depois do acidente sofrido na prova especial 12 – Graminhais 2, pretendemos clarificar todos os interessados nos procedimentos que foram executados pelos nossos oficiais de prova para ajudar o Sr. Bótka e a sua equipa.

As declarações que se seguem foram feitas pelos oficiais do Azores Airlines Rallye que estiveram diretamente envolvidos nas operações de resgate e recuperação do carro de rali do Sr. Bótka.

António Medeiros, Diretor de Prova Adjunto para Segurança e Meios de Socorro
“Após ter conhecimento do acidente do referido concorrente e a garantia de que ambos os concorrentes estavam ok, foram efetuados os seguintes procedimentos:

  1. Após passagem do carro Vassoura, foi enviado para o local o reboque de serviço à Organização da prova, que se encontrava de assistência a esta prova especial;
  2. Quando o reboque chegou ao local constatou que não conseguia tirar o carro, pois estava a mais de 200m da estrada, dentro de uma grota, capotado e ficou no local a aguardar mais indicações;
  3. Falei com o Jorge Sobreda (Adjunto da Direção de Prova para Estradas) que estava no na sede do Grupo Desportivo Comercial (cidade de Lagoa) para ir ao local e dar feedback, o que se verificou de imediato;
  4. Entretanto falei com vários corpos de Bombeiros e o de Vila Franca do Campo, após ver as imagens que lhes mostrei, aceitou fazer o serviço;
  5. Como o Jorge Sobreda já estava no local, falei com ele para dar os contatos dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca do Campo à equipa do concorrente que, entretanto, já estava no local com o seu atrelado para levar o carro, por forma a serem eles a requisitar e pagar diretamente o serviço de remoção;
  6. Na sequência da chegada da equipa do concorrente, o reboque que estava ao serviço da prova foi dispensado pois eles tinham meios para levar o carro após ser retirado da grota e o reboque ao serviço da organização não serviria para resolver a questão;
  7. Fui falando com o Jorge Sobreda, que se manteve sempre presente no local, mesmo após chegada dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca do Campo, por forma a termos sempre alguém da Organização presente no local;
  8. Por volta das 23:00 chegou ao Secretariado o jornalista checo Petr Linhart, também conhecido por “Pluto”, e uma senhora (não solicitamos a sua identificação) que disse ser do mesmo país e amigos da equipa do concorrente e estavam em contato com o navegador, que estava preocupado com o tempo que iriam demorar a retirar o carro e questionava a hora limite para colocar o carro no barco. Foram ambos esclarecidos por mim que, em relação à hora de entrada do carro no barco, podiam estar descansados pois como era uma situação excecional, a Organização tinha flexibilidade para entregarem mais tarde e que se os Bombeiros Voluntários de Vila Franca do Campo necessitassem de mais meios, nós iriamos ajudar nesse sentido. Na sequência desta informação, ela ligou para o navegador e transmitiu-lhe a informação, tendo depois agradecido imenso a nossa disponibilidade deixando os telefones de contato se necessitássemos falar com eles;
  9. Perto das 24:00 o Pastor foi substituir o Sobreda e ficou no local até á completa remoção do carro, o que veio a ocorrer por volta das 07:00.

Saliento que as condições do terreno eram bastante difíceis, para que a operação fosse mais rápida e atendendo a que o pasto entre a estrada e a grota estava molhado e era inclinado, a viatura com guincho ainda entrou e ficou atolada, tendo os Bombeiros Voluntários recorrido a um equipamento utilizado nestas situações, chamado ‘Tirfor’ que é muito eficaz, mas lento na operação.”

Eduardo Pastor, Diretor de Prova Adjunto para Estradas e Zonas de Espetadores
“Concordando integralmente com a descrição dos acontecimentos efetuada por António Medeiros, gostaria de referir e adicionar o seguinte elemento:
Pelas 03:00, António Andrade (Diretor de Prova) e Hugo Andrade (Diretor de Prova Adjunto) deslocaram-se ao local para inteirarem-se da situação e dos procedimentos que estavam a ser realizados”

António Andrade, Diretor de Prova
“O concorrente nunca ficou sozinho: quando da aparatosa saída de estrada, foi de imediato visitado pelo Marshall que se encontrava cerca de 70m acima, que relatou ao COR estarem bem de saúde e sem necessidade de assistência.
Tive conhecimento prévio das ações desenvolvidas e a desenvolver. Ou seja, a chamada do reboque que, no local, verificou não ter meios técnicos de içar, e a chamada dos Bombeiros das redondezas que tivessem meios para o trabalho.
Tendo falado com o Jorge Sobreda (Adjunto da Direção de Prova para as Estradas), relatou a ida do Eduardo Pastor (Diretor de Prova Adjunto para as Estradas e Zonas de Espetadores), para os substituir no local.
Eu próprio, cerca das 3:00am, estive no local e falei com um dos bombeiros, quando este veio ao carro de desencarceramento buscar alguns equipamentos, tais como pás e calços de madeira, que me disse que já estavam a conseguir puxar. Também me apercebi, estarem várias viaturas-guincho, a segurarem-se uns aos outros (técnica tem um nome que não me recordo) e que agora havia que regularizar um pequeno morro, para continuar com o trabalho.
Avistei varias outras viaturas, que não consegui alcançar por não haver espaço de passagem ocupado pela viatura de bombeiros, em que mais tarde me apercebi ser o Eduardo Pastor que não me avistou, porque tinha a carga do telemóvel fora de serviço.
Anexo algumas fotos no dia seguinte de manhã , onde se pode atestar a condição e localização, da viatura, bem como os sinais da saida de estrada.
O carro sai de estrada, voa por cima do pasto em declive e antes de aterrar no fundo da ravina, ainda passa no meio de 2 arvores sem lhes tocar e levando alguma vegetação consigo.
Pareceu-me ver no post do concorrente, clarões de focos luminosos. São dos bombeiros no local, conforme me apercebi quando lá estive.
Portanto cai por terra a teoria de estarem apenas com a luzes dos telemóveis, bem como outros considerandos que não correspondem à verdade dos factos, pelo que importa desde já esclarecer os menos informados nas redes sociais, independentemente de mais quaisquer outros comunicados.”

 

Scroll To Top