Sexta-feira , Abril 19 2019
ÚLTIMAS
Home / MOTOS / Portugal fecha em 11º no ISDE
Portugal fecha em 11º no ISDE

Portugal fecha em 11º no ISDE

Terminou hoje em Kosice na Eslováquia a edição 2015 dos International Six Days Enduro, a mais antiga prova desportiva sob a égide da Federação Internacional de Motociclismo. Na sua 90ª edição a prova terminou com uma controversa vitória da França – possível depois da readmissão de oito pilotos de várias equipas que tinham sido excluídos no terceiro dia de corrida por falharem um controle horário – sendo a equipa portuguesa uma das prejudicadas com a decisão tomada pois desceu ao 11º posto, posição que em nada espelha o esforço e ritmo dos pilotos lusos ao longo de seis longos dias de competição.

Hoje realizou-se a derradeira jornada destes ISDE 2015, com a discussão da habitual especial final, uma corrida estilo motocross que por hábito serve de espectáculo de encerramento da prova desde a sua criação. Um dia sem grande história que nada alterou a ordem da classificação final, mas onde os pilotos lusos mais uma vez mostraram a sua garra a vontade de brilhar, mesmo sabendo de antemão que em nada poderiam alterar a classificação da equipa sem factores estranhos a ajudarem ao alterar da ordem final.

Com as equipas a manterem todos os seus pilotos em prova sem contratempos, aos lusos restou a opção de discutirem as melhores posições nas suas mangas, com Joaquim Rodrigues a ser o melhor do dia ao fechar a sua primeira participação na prova com um 21º lugar na classificação global do dia, sendo o oitavo na classe E1.

Na classe Enduro 2, onde estiveram três pilotos, Diogo Ventura foi o melhor na 25ª posição, seguido por Gonçalo Reis e João Lourenço na 55ª posição, ele que terminou igualmente na sua estreia nos ISDE. Finalmente na Enduro 3 Luis Correia foi o quinto, enquanto que Fernando Sousa, o único resistente na prova de clubes foi o 46º na classe C2.

Individualmente os pilotos portugueses confirmaram a sua excelente prestação, com Joaquim Rodrigues a concluir a prova na 16ª posição da classe, com Gonçalo Reis a ser o 19º igualmente na sua categoria. João Lourenço foi o 53º e Diogo Ventura ficou logo atrás em 54º, ele que foi penalizado em quase trinta minutos no negro terceiro dia de prova, que decidiu a classificação da equipa lusa. Na Enduro 3 Luis Correia foi o quarto, sendo individualmente prejudicado igualmente pela reclassificação dos oito pilotos desclassificados no terceiro dia, sendo que a terceira posição era claramente sua sem essa decisão.

Globalmente o 11º lugar da classificação por selecções não espelha o nível demonstrado pela equipa lusa, que de forma natural tinha posição assegurada entre os oito melhores da competição sem a referida decisão de reclassificar os pilotos (oito) desclassificados no terceiro dia. O enduro nacional voltou no entanto a mostrar a sua evolução e qualidade dos seus pilotos, deixando no ar que em 2016, em Espanha, Portugal poderá estar novamente a discutir os melhores lugares, tanto a nível de equipas como individualmente.

Classificação Selecções (após 6 dias de prova)

1º França com 21h08.30.76s; 2º Austrália a 1m00.38s; 3º Espanha a 10m26.76s; 4º Itália a 13m34.41s; 5º Grã-Bretanha a 22m43.38s; 6º Finlândia a 40m42.49s; 7º Alemanha a 53m15.95s; 8º Républica Checa a 54m49.16s; 9º Suécia a 1h14m46.25s; 10º Eslováquia a 1h20m43.50s; 11º Portugal a 1h23m02.83s

Classificação Individual Portugueses
(após 6 dias de prova)

Enduro 1
16º Joaquim Rodrigues – KTM

Enduro 2
19º  Gonçalo Reis – KTM; 53º João Lourenço – Kawasaki; 54º Diogo Ventura – Gas Gas

Enduro 3
4º Luís Correia – Beta

Team IS3
C2 (Clubes)

42º Fernando Sousa Jr – KTM

 

Scroll To Top