Segunda-feira , Dezembro 17 2018
ÚLTIMAS
Home / VELOCIDADE / Tribunal de Contas trava venda do Circuito do Estoril (por Autosport)
Tribunal de Contas trava venda do Circuito do Estoril (por Autosport)

Tribunal de Contas trava venda do Circuito do Estoril (por Autosport)

Segundo noticia avançada pelo Autosport, o Circuito do Estoril vai continuar a ser gerido pela Parpública (sociedade gestora de participações sociais de capitais exclusivamente públicos), depois do Tribunal de Contas (TdC) ter indeferido o recurso interposto pela Câmara de Cascais para a compra daquela estrutura. Uma decisão que anula, em definitivo, o negócio da compra por parte da autarquia, conforme revelou hoje o jornal Público. A compra do autódromo por parte da Câmara estava inicialmente prevista pelo montante de 4,9 milhões de euros.

Segundo o Público, os motivos que levaram a esta tomada de posição do TdC prendem-se com o “intuito exclusivamente mercantil” e a “assunção de obrigações contratuais susceptíveis de gerar despesa, sem que exista a garantida de fundos para o efeito”. O organismo acrescenta ainda que “tendo em conta toda a argumentação expedida e pelas razões indicadas, importa concluir que o presente recurso não pode proceder, mantendo-se em consequência a recusa de visto ao contrato outorgado entre o Município de Cascais e a Parpública”.

Contactado pelo Público, José Manuel Barros, administrador da  Parpública e da sociedade CE-Circuito do Estoril, afirmou que “apesar de não ser jurista, tenho a percepção que esta posição do TdC implica que a operação negociada com a CMC, nos moldes em que estava projectada, deixou de poder realizar-se”.  Segundo o mesmo responsável, “esta é uma decisão recente e ainda não está nada maturado sobre o assunto, nem sequer foram iniciados contactos com a CMC ou com o Governo para a eventualidade de repensar o negócio”, explicou José Manuel Barros, ressalvando que será sempre a tutela a tomar uma posição definitiva sobre este assunto.

Por seu lado, o Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Wengorovius Meneses, referiu ao jornal que o Executivo não fecha a porta a qualquer cenário, mas alerta para o facto do atual elenco governativo ter uma atitude muito diferente na abordagem que faz aos activos públicos em comparação com os seus antecessores. “É extemporâneo responder à questão da possibilidade de uma eventual alienação do equipamento. As decisões deste Governo em relação a activos públicos podem não passar tanto pela sua venda ou pela concessão da exploração a privados, mas pela gestão directa, nos casos em que se considere que é decisivo para as políticas públicas. Mas cada caso é um caso”, disse o Secretário de Estado.

Autarquia diz que há interessados

A Câmara Municipal de Cascais liderada por Carlos Carreiras, já veio anunciar que vai tomar uma posição pública esta tarde. Contudo, o autarca usou as redes sociais para abordar o assunto: “Discordamos do Tribunal de Contas, mas naturalmente acatamos a decisão.  Tomaremos uma posição, durante o dia de hoje, depois de analisarmos todas as variáveis e de forma a não perdermos o investimento privado disponível credível e fiável, a criação de postos de trabalho, a salvaguarda contra a especulação urbanística e o contributo estratégico do Autódromo para o reforço da afirmação do Concelho de Cascais”.

O autarca salientou ainda a posição do Secretário de Estado da Juventude e Desporto sobre o assunto e confirmou as manifestações de interesse pelo circuito do Estoril que já chegaram à autarquia: ” Este foi o único equipamento desportivo de maior escala sobre o qual já tive três manifestações claras de interesse para que lhe seja dado um uso condigno, contribuindo para uma taxa de ocupação e utilização bastante superiores àquela que tem atualmente.  A questão para nós é a qualidade e a idoneidade desses interessados, assim como a nossa oposição a que o autódromo e toda a zona envolvente daquele equipamento seja para outros usos que não os existentes”, concluiu.

 

Scroll To Top